segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

SOB INTERVENÇÃO FEDERAL PRESIDENTE AFASTADA DO CONSELHO DE TÉCNICOS EM RADIOLOGIA CONVOCA ELEIÇÕES. E PODE?



O Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (CONTER) publicou no Diário Oficial da União (DOU), em 05/01/2016, resolução de intervenção da Diretoria Executiva do Conselho Regional de Técnicos em Radiologia de Pernambuco, que entrou em vigor na data de publicação. Nessa resolução, ficou definido que a atual diretoria seria afastada e uma nova Diretoria Executiva temporária seria nomeada, para ajustar os problemas encontrados, inclusive com nomes já indicados.



Tal resolução pontua diversos problemas de competência da atual gestão e, dentre eles, destaca a ausência de envio de Proposta Orçamentária de 2016, dentro do prazo e das regras descritas em Regimento Interno do Conselho. Ou seja, o orçamento referente ao Regional de Pernambuco, para 2016 ficou zerado, conforme publicação também realizada no DOU. Na mesma resolução,  existe a informação de que diante dos fatos, nenhuma despesa de 2016 poderia ser sanada, tendo em vista não ter sido orçada, sob o risco de cometer crime de improbidade administrativa.



No entanto, a Diretoria Executiva, em mais um ato de irresponsabilidade, desobedeceu o órgão superior e continua à frente da gestão do regional de Pernambuco, inclusive realizando pagamento de despesas não orçadas para o ano de 2016.

Além disso, em mais uma manobra, a Diretoria divulgou em jornal de grande circulação do estado, convocação para eleições em Fevereiro/2016, mas essa convocatória não segue nenhuma regra estabelecida do Regimento Eleitoral, eleição, inclusive, não reconhecida pelo CONTER, portanto, sem qualquer legitimidade.


A gestão afastada já se encontra sob investigação do Ministério Público Federal, conforme já noticiado aqui mesmo, em nosso Blog.

domingo, 31 de janeiro de 2016

MORADORES E COMERCIANTES DO BAIRRO DE DOIS IRMÃOS FECHAM VIA E ENERGIA É RESTABELECIDA



Desde a tarde da última sexta-feira, uma queda de energia, provocada por um temporal causado, segundo a APAC, por um fenômeno meteorológico chamado Vórtice Ciclônico de Altos Níveis – VCAN, deixou parte considerável da Região Metropolitana do Recife. Entre os bairros atingidos pela falta de energia e que até a manhã deste domingo continuavam sem terem o serviço restabelecido estavam os de Dois Irmãos, São Braz, Sítio de Pintos e adjacências, como agravante da suspensão do abastecimento de água.

Cansados de ligarem para a CELPE solicitando providências para o caso e acumulando enormes prejuízos, os moradores e comerciantes da área promoveram o fechamento da via local do bairro, bem em frente a UFRPE, a partir das 7h desse domingo (31).

Segundo dona Lúcia, cabeleireira do bairro, que está sem trabalhar desde sexta, a CELPE restabeleceu a energia apenas na rua onde reside a viúva do ex-governador do Estado, Eduardo Campos e suas adjacências, deixando o resto do bairro no escuro, o que reforçou ainda mais a indignação dos moradores e pequenos comerciantes que perderam seus produtos.

Enquanto isso, no baile municipal, o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, dava entrevistas afirmando que 96% da energia já havia sido restabelecida. As declarações do prefeito do Recife se chocam, porém, com a realidade registrada pela população residente nos Bairros  das Graças, do Engenho do Meio, UR-7, Cordeiro, CDU, Torrões, Torre, Madalena, Casa Amarela, Pina, Várzea, Boa Vista, Iputinga, bairros da cidade governada por Geraldo Júlio, que nas Redes Sociais reclamam da permanência da falta de energia e da imprevisibilidade para seu restabelecimento.

Moradores de Aldeia, Vila dos Carneiros (Jaboatão) e Barra de Jangada, Bairro Novo e Pau Amarelo, em Olinda, Vila da Fábrica (Camaragibe), Loteamento Santo Antônio (Igarassu) também reportam a continuidade da interrupção do serviço.



Em muitas dessas localidades, os atendentes da CELPE afirmam aos moradores que não há previsão de volta do serviço a comunidade. Segundo denúncias reportadas ao Blog, técnicos da CELPE chegaram a informar que a empresa estaria aguardando a chegada de fiação da filial da Iberdrola, em Natal, já que o estoque local teria acabado e que bairros como Casa Amarela, na altura da Estrada dos Remédios provavelmente ficassem sem energia, até a próxima terça-feira. Em Casa Amarela, tivemos informação de que já idosos que utilizam serviços de “home care” e temem que seus “nobreaks” não resistam até o restabelecimento da energia pela CELPE.

Diante dessa informação, moradores da área já planejam um protesto a exemplo do realizado pelos moradores de Dois Irmãos, que só tiveram sua energia restabelecida após fecharem uma rua, quando finalmente chamaram a atenção do Poder Público que logo enviou a PM, com motos, 5 viaturas e o GATE, não para restabelecer o serviço, ou garantir o exercício legal da livre manifestação popular.

Durante o protesto em Dois Irmãos, uma mulher foi agredida com um soco e outra teve seu celular arrancado por um golpe de cassetete, para impedir que filmasse a truculência da tropa. Para desobstruir a via, os policiais jogaram os entulhos, muitos, em chamas, dentro de um córrego e em área de mata dentro da universidade, o que poderia ter provocado um desastre ambiental. Um desses entulhos com fogo derreteu parte da encanação de uma casa. E assim seguiu durante toda a manhã, quando a via era desobstruída outro ponto era obstruído.
As 12:30 a viatura da CELPE chegou e levantou a ‘banana’ de energia de um poste em frente a UFRPE. O serviço durou 5 minutos e todo o bairro voltou a ter energia! Foram os próprios moradores que retiraram os entulhos e liberaram a via.

Durante o governo de Jarbas, a CELPE foi privatizada com a desculpa de que com a privatização o serviço iria melhorar e o governo poderia duplicar a BR 232 e desenvolvê-la ao estado. Mais de uma década depois, um temporal de algumas horas deixa claro que não avançamos nada na qualidade do serviço, foram 72h para que uma equipe da CELPE levantasse uma ‘banana’ de energia. Enquanto isso a conta de luz nunca foi tão alta e extorsiva. Trinta pessoas morreram no último ano, vítimas do péssimo serviço prestado pela CELPE e o atual governador Paulo Câmara já prepara uma licitação para privatizar também a BR 232, aquela que foi duplicada com o dinheiro da venda do patrimônio do povo Pernambucano.

No meio de todo esse caos, perdas e prejuízos, os moradores de Dois Irmãos, Sitio dos Pintos, Sitio São Braz etc, tiveram uma pequena, mais significativa vitória e aprenderam uma lição: a de que o povo unido é capaz de muita coisa.


Colaborou Igor Alves, com informações do local e fotos

SAIBA MAIS:






E a Celpe, hein?

Nem se viu a redução das tarifas, ao contrário aumentaram vertiginosamente, e a qualidade do serviço deteriorou, conforme atestam os indicadores medidos pela própria Aneel

15/07/2013

Heitor Scalambrini Costa

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

FARMACÊUTICOS DENUNCIAM FALTA DE MEDICAMENTOS NA REDE MUNICIPAL DO RECIFE E CONTRATO DA PCR COM INVESTIGADO PELA POLÍCIA FEDERAL NO MENSALÃO PERNAMBUCANO


Em carta aberta à população, os Farmacêuticos da Prefeitura do Recife, juntamente com o Sindicato dos Farmacêuticos de Pernambuco e o Conselho Regional de Farmácia de Pernambuco/CRF-PE denunciam que desde que a gestão Geraldo Júlio, do PSB assinou contrato com a Saudelog/Ceasa, contrato assinado ainda sob a presidência de Romero Pontual, o principal personagem do escândalo de corrupção denunciado aqui mesmo em nosso Blog sob o nome de "Mensalão Pernambucano", usuários da Rede Municipal de Saúde da Capital deixaram de receber a maioria dos medicamentos necessários a seus tratamentos, gerando descontinuidade, ao mesmo tempo em que os gastos da Prefeitura com medicamentos só aumentaram.

De acordo com a denúncia dos Farmacêuticos, doencas psiquiátricas, tuberculose, hanseníase e atá AIDS estariam entra as que foram objeto da mencionada descontinuidade, causando graves consequências aos pacientes e, repita-se, tudo apesar do aumento significativo dos gastos.

Conforme comprova o contrato de gestão a que o Blog teve acesso mediante Pedido de Informações pela LAI, a informação dada na Carta dos Farmacêuticos de que a CEASA, que sempre esteve sob o comando do Sr. Romero Pontual,  recebeu da Prefeitura do Recife, só para logística de medicamentos, da Secretaria de Saúde, mais de R$ 7 milhões se confirma. Acesse aqui:





SAIBA MAIS SOBRE O MENSALÃO PERNAMBUCANO

LEIA TODAS DENÚNCIAS DE NOELIA BRITO ACERCA DO MENSALÃO DO PSB E PSDB EM PERNAMBUCO

http://www.blogdodanieldantas.com.br/2014/10/leia-todas-denuncias-de-noelia-brito.html

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

TCE MANDA ANULAR CONTRATO FRAUDULENTO DE PERNAMBUCO COM IDEIA DIGITAL


A Primeira Câmara do TCE aprovou nesta quinta-feira (28) o voto-vista da conselheira Teresa Duere ao processo nº 1202438-7, que teve como relator o conselheiro João Campos, determinando à Secretaria Estadual de Educação (SEE) que promova a anulação do contrato 047/2012, firmado com a empresa Ideia Digital, e à Controladoria Geral do Estado que instaure uma Tomada de Contas Especial para apurar danos causados ao erário.
O relator julgou irregular o objeto de uma Auditoria Especial realizada na SEE para analisar três contratos celebrados com a empresa Ideia Digital Sistemas, Consultoria, Comércio Ltda para a implantação do projeto Gestor Móvel.
A auditoria teve por objetivo verificar a efetividade do projeto e a existência de irregularidades nos procedimentos de contratação. Ela se originou de uma denúncia no programa “Fantástico” da Rede Globo, no dia 25 de março de 2012, envolvendo irregularidades em contrato firmado pela Prefeitura de João Pessoa (PB) com a empresa Ideia Digital. O contrato decorreu da Ata de Registro de Preços nº 007/2009, à qual a Secretaria de Educação de Pernambuco aderiu na condição de “carona”.
Além deste, outro contrato foi celebrado sem licitação, a partir de “carona”, e um terceiro formalizado em decorrência do Pregão Presencial nº 05/2011. A soma dos três contratos totalizou R$ 77.510.292,85 (setenta e sete milhões, quinhentos e dez mil, duzentos e noventa e dois reais e oitenta e cinco centavos).
AJUSTES - Após notificação e recebimento da defesa dos interessados, o conselheiro João Campos acompanhou, quase que totalmente, o relatório dos técnicos, julgando irregular o objeto da Auditoria e aplicando multa aos responsáveis: Anderson Stevens Leônidas Gomes (R$ 67.400,00), Mônica Rejane Santa Cruz Silva (R$ 8.088,00), João Carlos Duarte dos Santos (R$ 13.480,00), Leonardo do Nascimento Barbosa (R$ 6.740,00), Neuma Maria Rego Lemos (R$ 8.088,00), Alexandre José Henrique de Oliveira Luna (R$ 13.480,00) e Luciano Carlos Mendes de Freitas Filho (R$ 6.740,00).
Além disso, determinou ao atual gestor da Secretaria de Educação que promova uma série de ajustes junto à empresa contratada, para dar prosseguimento à execução contratual, e à Coordenadoria de Controle Externo a instauração de uma Auditoria de Acompanhamento a fim de verificar o cumprimento das determinações contidas em seu voto.
VOTO-VISTA – A conselheira Teresa Duere, que havia solicitado vistas ao processo, apresentou o seu voto nesta quinta-feira (28), com algumas modificações em relação ao voto do relator, e teve o seu ponto de vista acompanhado pelo conselheiro Ranilson Ramos. O relator, portanto, foi voto vencido.
Ela disse que a despeito de a Procuradoria Geral do Estado ter emitido dois pareceres negando visto aos contratos decorrentes da “carona”, por entender que o procedimento era irregular, a Secretaria de Educação os executou sem solicitar autorização à Secretaria de Administração.
“Além da ilegalidade atestada pela PGE, e reconhecida pelo Ministério Público de Contas, o voto do relator, em síntese, aponta a absoluta inadequação do negócio”, diz o voto-vista da conselheira, relacionando, em seguida, as falhas encontradas nos contratos. No primeiro (038/2011), aquisição de R$ 900 mil em equipamentos não previstos na relação contratual. No segundo (107/2011), equipamentos adquiridos de fabricante, modelo e características diferentes do que reza o contrato original e, no terceiro, exigências que restringiam o caráter competitivo do certame.
“Há também vários indícios de graves irregularidades na execução das despesas, cujo total ultrapassa os R$ 40 milhões, montante equivalente a 60% do valor contratado”, diz ainda o voto da conselheira, frisando que a despesa possivelmente danosa aos cofres públicos pode chegar a R$ 885.600,00. Por isso, acompanhou os 17 “considerandos” do voto do relator no sentido de julgar irregular o objeto da Auditoria Especial, mas, diferentemente dele, entende que o contrato está repleto de vícios e não pode ter continuidade.
ANULAÇÃO - Ela propôs que o contrato 047/2012 seja anulado e que a Controladoria Geral do Estado instaure uma Tomada de Contas Especial na Secretaria de Educação para levantar os prejuízos causados aos cofres públicos.     

Gerência de Jornalismo (GEJO), 28/01/2016

SAIBA MAIS:

Educação em Pernambuco: E abriram a Caixa de Pandora

PUBLICADO EM 30/07/2013 ÀS 12:59 originariamente no Blog de jamildo
Por Noelia Brito, advogada e procuradora do Recife
A mídia nacional noticiou e a local tem repercutido as graves denúncias envolvendo próceres do PSB, partido do governador e presidenciável Eduardo Campos, com esquemas de desvio de recursos públicos para financiamento de campanhas eleitorais do Partido. Até onde se sabe, as investigações iniciadas pela Polícia Federal, na Paraíba, em contratos da prefeitura de João Pessoa, com a empresa IDEIA, detectaram o envolvimento do atual governador da Paraíba, que na época das práticas criminosas, era prefeito de João Pessoa e de seu vice, que na época respondia por uma secretaria da prefeitura.
Os contratos onde as fraudes foram constatadas tinham por finalidade a aquisição de “tablets” e a implantação de redes de transmissão de dados. O mesmo tipo de contrato foi realizado em Pernambuco, pelo governo do Estado, durante a gestão Eduardo Campos e com a mesma IDEIA e sobre esses contratos, a própria Polícia Federal confirmou a existência de irregularidades, enviando as apurações para o Ministério Público de Pernambuco, para as providências que lhe cabem.
Aliás, matéria publicada há poucos dias, no Jornal do Commercio, revelou que a compra de “tablets”, feita pelo governo Eduardo Campos e que utilizou a Ata de Preços da prefeitura de Natal, a mesma das fraudes confirmadas pela Polícia Federal, tinha superfaturamento de 242%. Segundo a matéria escrita pelas repórteres Bruna Serra e Débora Duque,  “Ao aderir à ata de registro de preços da Prefeitura de João Pessoa (PB), o governo de Pernambuco adquiriu equipamentos com valores superfaturados da Ideia Digital. Relatório da Controladoria-Geral da União (CGU) constatou altos índices de sobrepreço em pelo menos 24 dos 75 itens cotados na ata paraibana que foi utilizada como referência pela secretaria de Educação em contrato firmado em 2011 com a mesma empresa. A reportagem do JC verificou que um dos produtos dessa lista foi comprado pela pasta por um custo 242% maior que o valor de mercado, conforme análise da CGU.”
Não fossem essas constatações suficientemente graves, ainda tomamos conhecimento de que a “farra dos tablets” realizada pelo governo de Pernambuco não pára por aí. Pelo menos outro contrato relacionado com esse dos “tablets” nos chama a atenção. Trata-se do Pregão Eletrônico nº 029/2012, da Secretaria de Educação, realizado no final do ano passado, cuja finalidade era a aquisição de pacotes de software educacional tablete PC e que foi vencido pela empresa mineira METASYS TECNOLOGIA S/A, CNPJ: 05.903.921/0001-88, pelo valor de R$ 12.875.700.00.
Porque chamar de farra dos “tablets”? Ora, porque não é possível nominar de outra maneira, a forma como a secretaria de Educação do governo Eduardo Campos tem tratado o dinheiro público. Primeiro, a aquisição dos tais “tablets” por valores que superam os R$ 150 milhões, para uma rede de ensino que os próprios profissionais que nela trabalham e os próprios alunos denunciam como precária, seja sob o aspecto físico, seja do ponto de vista do tratamento que a gestão dá aos profissionais de educação, que têm denunciado, inclusive, o fechamento de escolas estaduais em municípios como Ipojuca, Jaboatão e Camaragibe, apenas para citar alguns é, no mínimo, uma contradição. Segundo porque agora também tomamos conhecimento que também a aquisição do software para esses “tablets” está sob suspeita.
Pois é. A Segunda Câmara do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco determinou, em confirmação a uma liminar anteriormente expedida pelo Conselheiro Carlos Pimentel, que o Pregão Eletrônico nº 29/2012, da secretaria de Educação de Pernambuco fosse suspenso. Sim, o pregão destinado à aquisição de pacote de software educacional para Tablets PCs do projeto “Aluno conectado” do governo Eduardo Campos foi suspenso por determinação do TCE. O motivo? Simplesmente, ao analisar o processo licitatório a equipe de Auditoria do TCE observou fatos escandalosos aos olhos de qualquer pessoa de bem. A homologação da proposta comercial da empresa vencedora do lote 01 (Metasys Tecnologia S/A) foi no valor de R$ 12.875.700,00. Entretanto, a proposta apresentada para vencer o pregão foi bem inferior: R$ 11.451.500,00 para o mesmo objeto. E isso foi homologado pelo secretario de Educação de Eduardo Campos? Foi. Foi homologado sim. O TCE afirma, na decisão prolatada no processo nº 13002645-8, que o sobrepreço chegou, nesse caso, a 12,44%.
As constatações da Auditoria do TCE sobre esse Pregão da Secretaria de Educação são todas de arrepiar os cabelos, entretanto, algumas merecem destaque para bem demonstrar o porquê se falar em “farra” com o dinheiro público, quando se menciona os gastos do governo Eduardo Campos com Educação. Em dado momento da decisão, por exemplo, há o registro de que o Conselheiro Romário Dias teria se reunido com representantes da secretaria de Educação e estes teriam confessado que os programas seriam destinados aos 156 mil tablets e notebooks já distribuídos aos alunos e professores em 2012, entretanto, reconheciam a inviabilidade de se fazer o “recall” desses equipamentos, pois sequer tinham noção sobre a atual situação de tais equipamentos, sem falar na “complexidade da logística de ‘recall’ necessária para a instalação. dos pacotes de softwares”
Ora, se sabiam da inviabilidade de instalar os softwares nos equipamentos já distribuídos, como é que contrataram e ainda com sobrepreço, uma empresa para fornecer os programas?
Como se vê, há muitas situações muito mal explicadas empurradas para debaixo do tapete mágico que os marqueteiros do governador criaram para esconder a realidade de uma gestão que fecha escolas ao mesmo tempo que esbanja dinheiro com contratos superfaturados.

PACTO PELA VIDA DE PAULO CÂMARA INCLUI ENSINAR CRIANÇAS A ATIRAR!!! CONFIRAM!

ESCÂNDALO


Uma denúncia gravíssima chegou ao nosso Blog e não poderíamos nos acovardar e nos omitir diante do absurdo das imagens de crianças recebendo aulas de manuseio de armas de fogo que mal conseguem segurar e tudo isso dentro de instituições militares pertencentes ao governo do Estado de Pernambuco, que tem como uma de suas principais bandeiras programáticas o chamado "Pacto Pela Vida" que pretende reduzir a violência e a criminalidade.

Num momento em que o Pacto Pela Vida naufraga, que a sociedade pernambucana está assombrada com fugas em massa em presídios de segurança máxima, imagens de veículos e armamentos do Pacto Pela Vida sendo utilizados para ensinar criancinhas a atirar é mais que um escândalo, um caso que exige a imediata intervenção do Ministério Público como fiscal externo da Polícia e de um governo que de há muito já perdeu o rumo. 




terça-feira, 26 de janeiro de 2016

TCE suspende Pregão da CEPE para gestão de documentos falhas no Edital



A Segunda Câmara do TCE referendou nesta terça-feira (26) uma Medida Cautelar monocrática, expedida pelo conselheiro Valdecir Pascoal durante o período de recesso, determinando à Companhia Editora de Pernambuco (CEPE) que modifique os termos do edital do Pregão Presencial nº 003/2015, cujo objeto é a contratação de empresa especializada na área de gestão de documentos. O relator do processo foi o conselheiro substituto Ricardo Rios.

O processo se originou de uma denúncia formalizada no TCE pela empresa TCI BPO – Tecnologia, Conhecimento e Informação S/A. Ela questionou, entre outras coisas, o prazo reduzido para impugnação do edital (cinco dias úteis), a comprovação de que a empresa possui patrimônio líquido mínimo correspondente a 10% do valor total da contratação, a proibição de participação de empresas em processo de recuperação judicial, a quantidade mínima de atestados de capacidade técnica, o registro dos atestados de capacidade técnica no Conselho Regional de Biblioteconomia e a exclusividade da CEPE para realizar as atividades contidas no edital.

ANÁLISE - A equipe de auditoria do Tribunal, após a análise da denúncia, considerou procedentes alguns pontos dela e outros não. Foram julgados improcedentes o prazo reduzido para impugnação do edital, o registro dos atestados de capacidade técnica no Conselho Regional de Biblioteconomia e a exclusividade da CEPE para realizar as atividades que constam do edital. E, procedentes, a proibição de participação de empresa em recuperação judicial, a quantidade mínima de atestados de capacidade técnica, a obrigatoriedade de realização de visita técnica e o tratamento diferenciado para empresa recém criada.

A equipe técnica identificou também quatro falhas no edital que não constaram da denúncia: prazo menor para regularização fiscal das microempresas ou empresas de pequeno porte, terceirização de atividade fim, prazo reduzido para apresentação de garantia processual e ausência de gestor de contrato.

Na condição de substituto do conselheiro Valdecir Pascoal, que se encontra de férias, o auditor Ricardo Rios manteve os termos da Cautelar e a levou para referendo da Segunda Câmara, que acatou, por unanimidade, o seu voto. O Pregão está suspenso até que a CEPE corrija as falhas identificadas no edital.  

Gerência de Jornalismo (GEJO), 26/01/2016

SAIBA MAIS

http://noeliabritoblog.blogspot.com.br/2016/01/cepe-aluga-por-milhoes-e-sem-licitacao.html

Enquanto Arena recebe milhões, sede da Vice-Governadoria está entregue às baratas, denunciam servidores






Denúncias que nos chegam dão conta de que os sevidores estaduais lotados na Vice-Governadoria do Estado de Pernambuco têm sido obrigados a trabalhar em condições insalubres, convivendo com banheiros sujos, baratas e sujeira pelos corredores onde circulam, inclusive no hall de entrada e na escadaria principal.

Relatos dão conta, ainda, de que uma funcionária chegou a contar seis baratas mortas no trajeto da sala em que trabalha até o banheiro. Nos andares superiores, pombos (hospedeiros de várias doenças) fizeram ninhos. Numa das salas, há poucos dias, um rato causou alvoroço entre os presentes.

As "cotinhas" se multiplicam para prover material de limpeza (água sanitária, desinfetante, sacos de lixo), sem muito sucesso, pois não há funcionários suficientes para executar o serviço geral do prédio.

Promessas de reforma do prédio ou dedetização de pragas, já não convencem mais ninguém.

O vice-governador, Raul Henry, sequer estaria dando expediente no prédio, segundo fontes ouvidas sob garantia de anonimato.


Recentemente, o governador Paulo Câmara deu uma “pedalada” no Orçamento para reforçar o “caixa” da Vice-Governadoria, em R$ 93,8 milhões para pagar parcelas indenizatórias da construção da Arena Pernambuco, bem como para bancar custos operacionais de manutenção referentes a 2014.

O contrato da PPP da Arena Pernambuco é objeto de inquérito instaurado pela Polícia Federal, que já desencadeou a chamada Operação "Fair Play", que apreendeu documentos em órgãos do governo de Pernambuco, relacionados com a contratação da Odebrecht para construção do estádio e que, segundo a PF, teria sido superfaturada.


SAIBA MAIS:


Contrato da Arena Pernambuco com Odebrecht coloca Paulo Câmara e Geraldo Júlio na mira da Lava Jato