Por Manoel Guimarães
Da Folha de Pernambuco
A ministra do Tribunal de Contas da União (TCU), Ana Arraes, não irá mais relatar processos que estejam relacionados com as obras da transposição do rio São Francisco, bem como aqueles ligados ao Governo de Pernambuco. Alegando “questão de foro íntimo”, a ministra efetuou um despacho eletrônico renunciando à relatoria de 12 processos relacionados à obra.
Com a decisão, um novo relator será designado pelo presidente do TCU, ministro Benjamim Zymler. O anúncio de que a relatoria dos processos ficaria a cargo da ministra ocorreu em dezembro do ano passado, pouco mais de um mês após seu ingresso naquele órgão.
Segundo informações de bastidores, Ana Arraes, que é mãe do governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, teria feito a opção de renunciar à relatoria para se preservar, assim como ao filho. Outro ponto crucial é que o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho (PSB), responsável pela execução da obra, foi indicado pelo próprio Eduardo para a referida pasta. O próprio Bezerra chegou a negociar com o TCU um reajuste acima do limite legal de 25% em um dos contratos ligados à obra da transposição, que teve a previsão inicial de seus custos elevada de R$ 5 bilhões para R$ 6,9 bilhões.
Em sua edição de ontem, o jornal O Estado de São Paulo publicou matéria sobre as ações que Bezerra Coelho responde na Justiça Federal por aditivos supostamente irregulares na obra, citando Ana Arraes como relatora dos processos no TCU. Tal insinuação mobilizou a assessoria da ministra a informar que a mesma havia renunciado à relatoria logo após a posse, em outubro passado.