União com Kassab gera rebelião no PT (com comentários da Blogueira)


União com Kassab gera rebelião no PT

Setores à esquerda do partido em SP não aceitam negociação entre o prefeito, do PSD, e os líderes petistas em torno da eleição na capital

21 de janeiro de 2012 | 20h 36

Fernando Gallo e Roldão Arruda, de O Estado de S. Paulo
Preocupados com a aproximação do PSD atrás de uma possível composição nas eleições municipais, setores da base do PT-SP criticam a direção petista pela abertura das negociações e integrantes de tendências de esquerda até ameaçam deixar a legenda caso o acordo com a sigla dirigida pelo prefeito Gilberto Kassab prospere.
"Não admito acordo com esse prefeito e seu partido. Sou membro-fundador do PT e, caso isso ocorra, vou rasgar minha carteirinha e desfazer minha filiação", afirma Luiz Gonzaga da Silva, o Gegê, vice-presidente da Central dos Movimentos Populares. "Não posso aceitar acordos espúrios da direção do partido sem consultar a base."
Gegê afirma que vai defender o voto nulo se a aliança com o PSD se concretizar. "Vamos perder a eleição sem o apoio dele? Não importa. Prefiro perder conscientemente a ganhar e não governar. O PT já perdeu muito de seu projeto original por conta desse tipo de acordo."
As tensões na base petista têm origem na desgastada relação entre a atual administração e os movimentos populares de moradia e saúde.
Em 16 de julho do ano passado, em reunião que contou com cerca de 450 filiados, o setorial de habitação do PT-SP decidiu declarar Kassab "inimigo número 1 dos movimentos de habitação e dos sem-teto em São Paulo" e "recomendar ao PT em todas as suas instâncias que não realize nenhum tipo de aliança com este prefeito". O documento elaborado falava ainda em "encaminhar uma agenda de lutas para tirar este prefeito nefasto e seus aliados da prefeitura".
As principais críticas do setor de moradias referem-se a reintegrações de posse consideradas violentas pela base petista, a despejos e remoções levadas a cabo pela gestão Kassab e "à entrega da cidade pelo prefeito ao capital e à especulação imobiliária, associados aos grandes projetos de infraestrutura", conforme a resolução de julho passado.
"A atual administração tem como finalidade beneficiar o setor imobiliário, e não contribuir para uma política habitacional voltada à população de baixa renda", afirma Raimundo Bonfim, integrante do setorial de habitação petista. "É quase impossível imaginar que as lideranças vão subir no mesmo palanque com o Kassab. A origem do Kassab é o malufismo. E depois ele se aproximou do Serra", disse ele.
Saúde
O possível alinhamento com Kassab é malvisto também pela base do PT ligada ao setor de saúde, que afirma que a atual gestão promove ações para privatizar a área e diminuir o controle social sobre os equipamentos públicos. Duas das principais críticas se referem à entrega da administração de unidades de saúde às Organizações Sociais e a mudanças que a atual gestão tenta fazer na composição do conselho municipal de saúde.
"Estamos em uma guerra declarada com o Kassab. Eles querem mudar a legislação do conselho pra que eles possam ter mais autonomia em cima", diz Frederico Soares de Lima, conselheiro municipal de saúde e militante do diretório petista de Ermelino Matarazzo. "É um governo centralizador, autoritário, que não respeita a participação das pessoas, o controle social."
Frederico avalia que o movimento de saúde teria dificuldades para apoiar uma chapa que contasse com a participação de Kassab. "Como a gente, que sempre combateu esse tipo de política, poderia justificar o apoio a um candidato ligado a ele?"
Lula. Confrontados com o fato de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defende o alinhamento com o PSD, os petistas demonstram certa decepção. "Ah, deixa chateado. Ele é uma referência", diz Raimundo. "Incomoda", confessa Frederico.
Opositora da aliança, a secretária de mobilização do PT-SP, vereadora Juliana Cardoso, diz: "A militância tá com garra de sair pra rua. Os dirigentes têm de tomar cuidado pra não quebrar isso".
COMENTÁRIO DA BLOGUEIRA: Vou analisar apenas duas frases desse texto, porque são as que me parecem fundamentais e significativas do que é o Partido dos Trabalhadores na política brasileira, hoje, um grande estelionato eleitoral e ideológico, como eu já tive oportunidade de afirmar durante minha entrevista à Radio CBN, como pré-candidata do PSOL à prefeitura do Recife:
"A atual administração tem como finalidade beneficiar o setor imobiliário, e não contribuir para uma política habitacional voltada à população de baixa renda."
"As principais críticas do setor de moradias referem-se a reintegrações de posse consideradas violentas pela base petista, a despejos e remoções levadas a cabo pela gestão Kassab e 'à entrega da cidade pelo prefeito ao capital e à especulação imobiliária, associados aos grandes projetos de infraestrutura', conforme a resolução de julho passado."
Pois é. Vejam que essas denúncias caberiam perfeitamente em qualquer matéria ou crítica a ser feita à política urbana do governo do PT no Recife, nesses últimos 12 anos, mas esse discurso é de um dirigente do setorial de habitação do PT de São Paulo, criticando a política de Kassab, recém saído das hostes demistas, para fundar um novo Partido, o PSD, com o aval e colaboração de Lula e Eduardo Campos.
O que temos observado no Recife é exatamente esse mesmo cenário. Por que Lula encarregou Eduardo Campos de seduzir Gilberto Kassab para que fundasse um novo partido? Porque não vê, porque, de fato inexistem, diferenças entre a política posta em prática pelos chamados partidos de direita e aquela implantada pelo PT nas cidades governadas.
Realmente, Marcelo Freixo, tem toda razão quando afirma que o PT saiu de si. Acrescento apenas que Lula e sua camarilha tiveram ainda o requinte de jogar o mapa foram para que o Partido nunca mais encontrasse o caminho de volta.


Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

MPPE instaura inquérito para investigar HAPVIDA. Denúncia partiu do SIMEPE

Passados 12 anos do "escândalo da Sacolinha, Milton Coelho volta a ser alvo de investigação criminal, desta vez por apropriação de recursos públicos

Assediador de mulher russa foi preso na Operação Paradise da Polícia Federal que desarticulou organização criminosa que fraudava licitações em governo do PSB em Araripina, município de Pernambuco