Brasil, paraíso dos banqueiros espanhois e do capital transnacionall

Esta matéria, que saiu, hoje, na Folha de São Paulo, é a prova incontestável de que o Brasil do lulo-dilmo-petismo é o paraíso dos banqueiros e do capital transnacional. E foram esses senhores que tanto criticaram a privataria tucana, mas hoje, percebemos que suas críticas eram similares às do rato sem rabo, da parábola, estavam apenas esperando alguém que passasse também a manteiga em suas bocas...



Índice geralSão Paulo, quarta-feira, 04 de julho de 2012Mercado
Mercado
Crise deflagra terceira onda espanhola no Brasil
Investimento programado até 2015 é de R$ 44 bilhões; remessas crescem
País atrai profissionais e empresários de setores como imóveis, software, transporte e infraestrutura
AGNALDO BRITO
DE SÃO PAULO
A crise econômica que se aprofunda desde 2008 na Europa criou a terceira onda de capitais espanhóis no Brasil.
Levantamento da Câmara Oficial Espanhola de Comércio, instituição que monitora há 50 anos a relação bilateral, indica que empresas espanholas programam investimentos de R$ 44 bilhões no Brasil até 2015.
Os setores vão de infraestrutura a software, de trens e vagões a imóveis.
As duas ondas anteriores -a da privatização e a dos anos 2000- aplicaram no Brasil, segundo informação da Câmara, R$ 164,7 bilhões.
DECISÃO LUCRATIVA
O investimento tem retorno, mostram as remessas de lucros de empresas espanholas compiladas pelo Banco Central a partir de 2005 -quando o confronto entre investimentos e remessas de lucros passou a ser registrado.
No caso das remessas, saíram do Brasil rumo à Espanha US$ 19,122 bilhões entre 2005 e 2011. Os investimentos no mesmo período foram de US$ 18,002 bilhões. O número inclui a megaoperação de compra da Vivo pela Telefônica. Somente esse negócio representou investimento de US$ 9 bilhões.
Só no ano passado, as espanholas remeteram para suas matrizes US$ 4,7 bilhões, cifra superior ao que foi enviado em 2008, quando explodiu a crise financeira global. Naquele ano, as empresas espanholas remeteram US$ 4,4 bilhões.
Segundo Maria Luisa Castelo Marin, diretora-executiva da Câmara Brasil-Espanha, as remessas "ajudam as empresas na Espanha, mas também faze com que muita empresa veja no Brasil oportunidades que não consegue ver na Espanha neste momento", diz Maria Luisa.
O bom desempenho tem atraído, além de empresários, profissionais. A Câmara recebe por mês cerca de cem currículos de espanhóis de nível técnico interessados em trabalhar no Brasil.
BUROCRACIA E TRIBUTOS
Só no primeiro semestre deste ano, a Câmara recebeu consultas de mais de 150 empresas. Queriam saber como podem investir no Brasil. O principal problema não é a língua ou a distância.
"Burocracia e tributos são os grandes problemas que os espanhóis enfrentam aqui. Por isso temos orientado o investidor espanhol a se associar a um empresário local. Isso facilita muito as coisas", afirma Maria Luisa.
Empresas-símbolo do capital espanhol no Brasil, os grupos Santander e Telefônica são exemplos de êxito no Brasil. Hoje, 27% do lucro auferido pelo Santander, instituição que adquiriu o ex-banco estatal Banespa, vem da operação brasileira.
É mais do que o dobro da contribuição do Santander Espanha, que é de 12%. "O Brasil é a unidade mais importante do mundo", afirma Juan Hoyos, vice-presidente do banco.
Tamanha relevância é o que tem embasado uma frase repetida à exaustão pelos executivos do banco: "O Santander não está à venda!".
Já a Telefônica, que em 2011 fez operação bilionária para comprar a Vivo, executa um plano de investimento de R$ 24 bilhões, com razoável folga.
Segundo Gilmar Camurra, vice-presidente financeiro, a dívida líquida da Telefônica equivale a 20% da geração de caixa (Ebitda) de apenas um ano. Como se vê, aqui as espanholas não veem crise.

Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

Empresa flagrada servindo comida podre para alunos das escolas públicas de Pernambuco promove assédio judicial contra Editora do blog da Noelia Brito na tentativa de intimidá-la e cessar denúncias do Blog contra malfeitos da empresa, também apontados pela Polícia Civil, pelo MPPE e pelo TCE/PE

Aos gritos de "tem roubo", alunos protestam contra a falta de Merenda durante visita de Paulo Câmara. Na Prefeitura do Recife, Geraldo Júlio é notificado pelo MPPE para explicar denúncias do SIMPERE sobre irregularidades em contratos da Merenda

Até ameaças de morte teriam sido feitas por Eduardo da Fonte e Ciro Nogueira contra testemunhas para que mudassem depoimentos na Lava Jato contra parlamentares do Partido. Apartamento de Dudu da Fonte em Boa Viagem também foi alvo de buscas e apreensões