Rodoviários afirmam que a greve continuará

Rodoviários afirmam que a greve continuará

Na passeata em resposta negativa à decisão tomada pelo TRT, grevistas confirmam a continuação da paralisação

por Tatyane Serejo | qui, 05/07/2012 - 22:25

Compartilhar:
Foto: Marionaldo Junior/LeiaJáImagens
Os rodoviários voltarão a se manifestar nesta sexta-feira (6), em frente ao Palácio do Governo
Após a decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), no final da tarde desta quinta-feira (5), que determinou o aumento de 7% no salário e que a greve da categoria acabasse – o que desagradou os rodoviários – eles saíram em passeata desde a avenida Cais do Apolo, no bairro do Recife, passando pela avenida Guararapes, Conde da Boa Vista, terminando na Praça do Derby no bairro de mesmo nome.
Com o apoio de outros sindicatos e estudantes, os rodoviários afirmam que apesar da decisão do TRT de que eles voltem aos seus cargos a partir das 0h dessa sexta-feira (6), eles continuarão sem trabalhar até que as reivindicações da categoria ser atendidas, o que inclui um aumento superior ao determinado no julgamento desta tarde. “Sete porcento de aumento é um valor muito baixo, ano passado recebemos 9,5%. Ano que vem nosso salário ficará abaixo do salário mínimo”, reclamou o cobrador Herberton Ramos.
Gritando "a luta continua, a greve vai para a rua", mais de 150 manifestantes pararam o trânsito da avenida Conde da Boa Vista com a passeata em resposta negativa à decisão da Justiça do Trabalho. A manifestação seguiu a maior parte do tempo pacífica apesar do número de efetivos que fazem a escolta. Estavam presentes a Polícia Militar, o Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), dez homens da cavalaria, seis motos e 50 policiais militares do 16º Batalhão.
Ao chegar à avenida Agamenon Magalhães, um confusão fez com que um cobrador fosse preso. De acordo com a polícia, A. R. S., de 23 anos, encontrava-se na passeata junto com a categoria e foi preso por tentar tirar a chave da ignição do ônibus, o que causaria tumulto na via. O motorista do coletivo que faz a linha Circular/Conde da Boa Vista/ Prefeitura alegou que comandava a direção do veículo na hora da abordagem de A. Segundo ele, o cobrador invadiu o ônibus com mais três homens pedindo a chave, que foi negada por Valdir. “Ele chegou pedindo e tentando tirar, eu me recusei colocando a mão na ignição, foi quando ele me ameaçou dizendo que se eu não desse eles iriam ‘descer a serra’ em mim”, declarou Valdir.
Já o acusado, que trabalha no ramo há mais de 10 anos, alega que estava caminhando com os outros três colegas da classe, junto a passeata, quando os amigos decidiram invadir o ônibus e pegar a chave. “Eu ia passando com os meninos, quando decidiram invadir o ônibus para pegar a chave. Eu não concordei e tentei impedí-los de cometer o ato”, explicou A. Ele foi encaminhado para a 1ª Delegacia de Plantão, localizada na rua Siqueira Campos, no bairro de Santo Antônio, e responderá um Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO) sendo liberado logo em seguida.
De acordo com Noélia Brito, advogada de A., o aconteceu foi uma tentativa da polícia de dispersar o grupo. “Não houve invasão a ônibus nenhum, nem tentativa de tirar a chave da ignição. O que aconteceu foi uma iniciativa da polícia para a desmobilização do movimento. Várias testemunhas alegam a mesma coisa”, declarou ela.
Os rodoviários já estão com outra mobilização marcada para essa sexta-feira (6). "Vamos continuar a greve e vamos continuar a mobilização. Nos reuniremos amanhã em frente ao Palácio do Governo a partir das 16h", afirmou o cobrador Eiriberto Carneiro.
*Com informações de Rhayana Fernandes.

Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

PAULO CÂMARA INSISTE EM EXPULSAR POLICIAIS MILITARES QUE DEFENDEM CATEGORIA, MAS PROTEGE CORONEIS DENUNCIADOS POR CORRUPÇÃO EM SEU GOVERNO INVESTIGADOS POR DESVIOS PARA CAMPANHAS DO PSB

"Jarbas Vasconcelos é um lambe-botas que escapou da Lava Jato pela prescrição", Artigo de FBC para a Folha de São Paulo desmonta falso moralismo de Jarbas e dá o tom do que será 2018

TULIO GADELHA DIVULGA CARTA REVELANDO REAIS MOTIVOS DE SUA EXONERAÇÃO DO ITERPE: "AJUSTE PARTIDÁRIO E ELEITOREIRO"