Novo Superintendente da PF em Pernambuco rebate leviandades de Eduardo Campos contra instituição e avisa que está aqui para prender bandidos



DO JORNAL DO COMMERCIO

INVESTIGAÇÃO Superintendente da Polícia Federal em PE afirma que a instituição trabalha para prender bandidos e que não atua de forma leviana nem politizada
Bruna Serra
bserra@jc.com.br
O superintendente regional da Polícia Federal em Pernambuco, Marcello Diniz Cordeiro, rechaçou ontem as declarações emitidas pelo governador Eduardo Campos (PSB), que na segunda-feira (22) apontou "motivação política" na investigação sobre os convênios celebrados entre a empresa Ideia Digital e as administrações do PSB em Pernambuco e na Paraíba.
"Nós não temos interesse em entrar na seara política. A PF investiga fatos. Se tem indícios, nossa obrigação é apurar e produzir o melhor inquérito possível para que a justiça possa ser feita. Nós não ficamos prestando atenção em questões políticas e, sim, em executar o nosso trabalho que é prender bandidos", asseverou o superintendente.
Marcello Diniz Cordeiro tem uma voz grave e trata o interlocutor com a formalidade característica dos policiais. Educado e cuidadoso com as palavras, ele assumiu o cargo em Pernambuco no início do mês passado. Veio ao Estado depois de desempenhar por dois anos a função de superintendente na Paraíba.
Partindo em defesa do colega responsável pela investigação, "um delegado respeitado e de grande conhecimento", que chamou apenas de "Felipe", o superintendente Cordeiro rechaçou qualquer ingerência política no órgão, em resposta direta às insinuações levantadas na última segunda-feira pelo governador.
"A investigação veio para Pernambuco porque ficou comprovado que existe uma sede da empresa aqui. Não trabalhamos de forma leviana e nem politizada. Somos a favor da aplicação da lei. Nós conseguimos provas contundentes e elas estão em poder da Justiça", rebateu Cordeiro.
Uma cópia do inquérito formatado como resultado da investigação foi entregue a instituições como Ministério Público (de Pernambuco e da Paraíba), Tribunal de Contas da União, Tribunal Regional Federal (com recomendação de repasse ao Superior Tribunal de Justiça) e ao Supremo Tribunal Federal, uma vez que entre as partes citadas existem pessoas com foro privilegiado. "Se A ou B é político e está citado no inquérito não é uma questão política e sim criminal", concluiu.
OPERAÇÃO
Uma operação da Polícia Federal, que começou ainda em 2012, apontou indícios de superfaturamento em contratos da empresa Ideia Digital com os governos de Pernambuco e da Paraíba. A empresa é suspeita de financiar ilegalmente campanhas do PSB e do PSD. As informações foram publicadas pelo jornal Folha de S.Paulo na edição do último domingo (21). O governador Eduardo Campos (PSB) é cotado para disputa a Presidência da República em 2014.

Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

PAULO CÂMARA INSISTE EM EXPULSAR POLICIAIS MILITARES QUE DEFENDEM CATEGORIA, MAS PROTEGE CORONEIS DENUNCIADOS POR CORRUPÇÃO EM SEU GOVERNO INVESTIGADOS POR DESVIOS PARA CAMPANHAS DO PSB

"Jarbas Vasconcelos é um lambe-botas que escapou da Lava Jato pela prescrição", Artigo de FBC para a Folha de São Paulo desmonta falso moralismo de Jarbas e dá o tom do que será 2018

TULIO GADELHA DIVULGA CARTA REVELANDO REAIS MOTIVOS DE SUA EXONERAÇÃO DO ITERPE: "AJUSTE PARTIDÁRIO E ELEITOREIRO"