TCE notifica Geraldo Julio para apresentar defesa no Caso Reluz


O conselheiro Dirceu Rodolfo notificou o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, na última semama, para apresentar defesa na Representação protocolada no Tribunal pela vereadora Priscila Krause, com pedido de Cautelar, referente ao Pregão Presencial nº 002/2013, cujo objeto é a contratação de empresa de engenharia para fiscalizar o programa de iluminação pública conhecido como "Reluz". De acordo com a denúncia da vereadora, teria havido direcionamento na licitação, daí ela ter solicitado ao TCE a anulação do processo.
Relator das contas do Recife do exercício financeiro de 2013, o conselheiro concedeu um prazo de cinco dias ao prefeito para apresentar suas contrarrazões, "encaminhando oficialmente as informações, esclarecimentos e documentos que julgar pertinentes".
Ante a relevância dos fatos, disse ele na notificação, a vereadora requereu ao TCE a expedição, "em caráter imediato", de uma determinação ao prefeito para suspender o contrato com a empresa que ganhou o Pregão, ou, caso já tenha sido assinado, "da expedição ou execução de qualquer ordem de serviço objeto da referida licitação". O prazo para o prefeito apresentar defesa termina hoje.

Gerência de Jornalismo (GEJO) / Diário Oficial de Pernambuco, 28/08/13

NOTICIAS RELACIONADA


JORNAL DO COMMERCIO, 28/08/2013


Procuradora do Município do Recife sente-se ameaçada e pede investigações à Polícia Federal



Comentários

Postar um comentário

MAIS ACESSADAS DO MÊS

Empresa flagrada servindo comida podre para alunos das escolas públicas de Pernambuco promove assédio judicial contra Editora do blog da Noelia Brito na tentativa de intimidá-la e cessar denúncias do Blog contra malfeitos da empresa, também apontados pela Polícia Civil, pelo MPPE e pelo TCE/PE

Aos gritos de "tem roubo", alunos protestam contra a falta de Merenda durante visita de Paulo Câmara. Na Prefeitura do Recife, Geraldo Júlio é notificado pelo MPPE para explicar denúncias do SIMPERE sobre irregularidades em contratos da Merenda

Até ameaças de morte teriam sido feitas por Eduardo da Fonte e Ciro Nogueira contra testemunhas para que mudassem depoimentos na Lava Jato contra parlamentares do Partido. Apartamento de Dudu da Fonte em Boa Viagem também foi alvo de buscas e apreensões