Uma das principais lideranças do movimento gay no Brasil está entre os ameaçados de morte entrevistados pela Congresso em Foco

Toni Reis: “Ameaças nunca nos intimidaram”

Alvo de ataques na internet, uma das principais lideranças do movimento gay no Brasil diz que intimidações servem de combustível para a militância

Elza Fiúza/ABr
Toni: “Isso nunca nos intimidou. Uniu ainda mais o grupo. Essa é apenas mais uma batalha que temos de enfrentar"
Primeiro, eram as tradicionais ofensas. Depois, vieram as ameaças de morte. “Você está com os dias contados”, sussurrava uma voz não identificada do outro lado da linha. Uma das principais lideranças do movimento gay no Brasil, o professor Toni Reis denunciou as ameaças que ele e outras 14 pessoas da comunidade passaram a receber desde o final do ano passado em Curitiba.
“Depois dos telefonemas, mandaram recados por e-mail e pelas mídias sociais. Criaram perfis falsos na internet para nos intimidar”, diz Toni, ex-presidente e atual secretário da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT). As ameaças eram dirigidas a integrantes do Grupo Dignidade, ONG homossexual fundada em 1992.
Um perfil falso, criado em nome do filho adotivo de 12 anos de Toni e seu companheiro, o inglês David Harrad, disseminava relatos inverídicos de abuso sexual, atribuídos aos pais. OCongresso em Foco teve acesso a mais de 20 mensagens eletrônicas dirigidas ao grupo. “Antes de matar vcs, tem que fazer vcs sofrerem, cortando todos os dedos das mãos e dos pés e depois a morte com a cabeça cortada e com sangue jorrando em praça pública, pq nenhum pai, mãe e família em geral tem orgulho de ter uma desgraça, uma merda sapatão e viado na família”, dizia um dos textos.
“Lésbica tem que morrer sendo estuprada até a morte. Gay com uma pedrada ou tiro na cabeça também já resolve o problema. Vocês não perdem por esperar ainda, vermes homossexuais, o ano ainda está só começando. Muitas cabeças suas vão rolar ainda. Vamos fazer de uma forma que vocês jamais esqueceram (sic) 2013”, afirmava outro.
As ameaças foram enviadas à Organização das Nações Unidas (ONU) e aos governos federal e estadual. O caso é investigado pelo departamento de crimes cibernéticos da Polícia Civil do Paraná. Desde o final do ano passado, Toni faz parte do Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos. Uma situação que o deixa menos vulnerável, avalia.
“Instalaram um circuito interno de vídeo tanto na minha casa quanto no trabalho. Estamos reunindo todas as provas. O problema é que a quebra de sigilo dos emails falsos demora quase um ano”, conta. Segundo ele, as ameaças servem de combustível para continuar sua militância. “Isso nunca nos intimidou. Uniu ainda mais o grupo. Essa é apenas mais uma batalha que temos de enfrentar. A história está do nosso lado.”

Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

PAULO CÂMARA INSISTE EM EXPULSAR POLICIAIS MILITARES QUE DEFENDEM CATEGORIA, MAS PROTEGE CORONEIS DENUNCIADOS POR CORRUPÇÃO EM SEU GOVERNO INVESTIGADOS POR DESVIOS PARA CAMPANHAS DO PSB

"Jarbas Vasconcelos é um lambe-botas que escapou da Lava Jato pela prescrição", Artigo de FBC para a Folha de São Paulo desmonta falso moralismo de Jarbas e dá o tom do que será 2018

JUSTIÇA REVOGA LIMINAR E TRANSFORMA JARBAS E RAUL HENRY EM DOIS PESOS MORTOS NO PALANQUE DE PAULO CÂMARA. COM DECISÃO, FBC ASSUME COMANDO DO MDB E SÓ NÃO SERÁ CANDIDATO SE NÃO QUISER