ENTRE DECAPITAÇÕES, CAVIAR E LAGOSTA


 Por Paulo Monteiro*

Desde sempre é trágica a situação dos presídios brasileiros. E, neste aspecto, ninguém pode culpar ninguém pela existência das atuais masmorras brasileiras. Todos são culpados. Todos estão errados. Criminosamente errados.

O que se tem visto nessa área é, na verdade, um orquestrado cinismo entre os governos estaduais e o governo federal em todas as ocasiões que a imprensa nacional divulga as repetitivas cenas escabrosas das quais já nos tornamos testemunhas de vista.

O que mais se tem visto, nos últimos anos, são corpos decapitados, queimados, trucidados e vilipendiados em uma teia criminosa que se alastra de dentro para fora dos presídios brasileiros; de todos os presídios, é bom e justo que se diga.

Para tanto, basta que o “estado” – ilegal, ilegítimo, criminoso e bárbaro, que se encontra instalado dentro dos estabelecimentos públicos prisionais existentes nas unidades federativas do país - seja contrariado em qualquer questão menor. Pronto! Imediatamente as cenas de terror tomam o noticiário nacional. E essa teia está cada vez maior e mais forte. Basta atentar que a rede vem se interconectando cada vez mais com criminosos que se encontram livres e soltos nas ruas e avenidas das cidades brasileiras. É só “ordenar” e a desgraça estará feita.

Agora, a imprensa caiu de pau em cima da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, como se ela fosse a única descompromissada com essa questão, e o Presídio de Pedrinhas o único caso do país. Esse tipo de memória seletiva chega ao absurdo de esquecer a tragédia do CARANDIRU, ocorrida no passado mais distante, e, mais recentemente, a onda de violência que ceifou centenas de vidas humanas, entre policiais e civis, nas ruas da cidade de São Paulo. Esse tipo de conduta, de memória seletiva, para mim é puro cinismo também.

Ora, todos nós sabemos que o que vem ocorrendo no Presídio de Pedrinhas, do Maranhão, não é um caso isolado, mas sim mais um fato dentro da regra que norteia todos esses estabelecimentos comandados por criminosos irrecuperáveis, e, inclusive, também ocorre nas Casas de Abrigo e Atendimento Socioeducativo - estas para as “crianças inocentes” - existentes no país. Exemplo disto, a própria FUNASE, do governo de Pernambuco, que, embora em menor número, tem registros de casos igualmente gravíssimos.

Nesta linha, cabe a pergunta: alguém é capaz de apontar qual é o estado da federação que tem estabelecimentos públicos prisionais em condições humanas satisfatórias?

No mais, o que há de novo é a segunda recomendação da ONU para a adoção de providências por parte do governo brasileiro para acabar com o caos já instalado há muito tempo. E aqui, neste caso, já começou o jogo de empurra, empurra, entre o Maranhão e o governo federal. Toma que a bola é tua. Quero não que ela é tua.

Aliás, é bom lembrar que o atual governo federal vem “faturando” junto ao incauto eleitorado brasileiro ao posar de “bonzinho” e de “cavalaria americana” quando oferece a “ajuda” dos presídios federais aos inoperantes e irresponsáveis governos estaduais. Prestem atenção a isso. É assim que tem sido nos últimos tempos.

A manipulação disso tudo é absolutamente imoral, vergonhosa e criminosa mesmo. Em outras palavras, se é verdade que há criminosos dentro dos presídios e “casas de abrigo socioeducativo” igualmente é verdade que também há criminosos fora destes; e, quiçá, em número infinitamente muito maior.

Por fim, quero esclarecer que não defendo a existência de presídios “cinco estrelas” para a população carcerária do país, mas reconheço que é absolutamente irrazoável as condições, lato senso, das atuais masmorras brasileiras. E também não defendo bandidos, principalmente os facínoras irrecuperáveis. Portanto, que eles não esperem por lagosta e caviar no menu carcerário..

Diga-se a propósito que - quanto à compra de lagosta e caviar que alguns governadores têm feito para os seus palácios, bem como as viagens a Paris e outras grandes cidades do mundo - eu tenho um pensamento diferenciado quanto a isto. Explico. Eu entendo que seria uma “benção” para o povo brasileiro se esse tipo de aquisição de produtos alimentícios e viagens de lazer fossem os únicos “pecados” dos nossos governantes. Já imaginaram que maravilha seria essa turma “investindo” milhões de reais para se eleger visando tão somente o caviar e a lagosta? Quem dera, né não?

Em sendo assim, aqui vai o meu recado: caríssimos governantes deste país, em meu nome, eu vos autorizo a irem às compras da lagosta e do caviar, mas fiquem somente, unicamente, nestes produtos. E, por favor, por caridade, eu vos imploro que não enriqueçam, nem a si nem a todas as vossas futuras gerações, com o dinheiro do povo brasileiro; aqui incluídos os presidiários de todos os estabelecimentos prisionais do país.

Tenho dito.


*Paulo Monteiro é advogado

Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

PAULO CÂMARA INSISTE EM EXPULSAR POLICIAIS MILITARES QUE DEFENDEM CATEGORIA, MAS PROTEGE CORONEIS DENUNCIADOS POR CORRUPÇÃO EM SEU GOVERNO INVESTIGADOS POR DESVIOS PARA CAMPANHAS DO PSB

"Jarbas Vasconcelos é um lambe-botas que escapou da Lava Jato pela prescrição", Artigo de FBC para a Folha de São Paulo desmonta falso moralismo de Jarbas e dá o tom do que será 2018

TULIO GADELHA DIVULGA CARTA REVELANDO REAIS MOTIVOS DE SUA EXONERAÇÃO DO ITERPE: "AJUSTE PARTIDÁRIO E ELEITOREIRO"