Notícias




segunda-feira, 21 de julho de 2014

Envolvimento de primo de Aécio Neves com quadrilha de venda de "habeas corpus" para traficantes vem à tona depois da descoberta do caso do aeroporto de Cláudio, em Minas

Aécio Neves durante temporada no "Palácio de Versalhes" da monarquia mineira


A denúncia feita ontem, em matéria de primeira página da Folha de São Paulo, de que o presidenciável Aécio Neves mandou construir um aeroporto público nas terras de parentes seus, na cidade mineira de Cláudio, onde o próprio Aécio mantém uma fazenda a qual costuma chamar de "meu Palácio de Versalhes" pode ser apenas a ponte de um iceberg que levará a candidatura tucana ao naufrágio. Segundo matérias publicadas hoje, pela própria Folha, o aeroporto, apesar de ter custado cerca de R$ 14 milhões aos cofres públicos mineiros, é administrado por parentes de Aécio, entre eles seu tio, Múcio Guimarães Tolentino, dono da fazenda onde foi construído o aeroporto. Com as denúncias sobre a situação privilegiada de parentes de Aécio na região, o caso envolvendo um primo do ex-governador, que estava abafado também começa a ser divulgado. Trata-se do processo que espera julgamento no STJ,  contra TANCREDO ALADIM ROCHA TOLENTINO, primo de Aécio e mais conhecido pelo vulgo de "Quedo", que foi preso na Operação "Jus Postulandi", da Polícia Federal, por chefiar uma quadrilha especializada na venda de "habeas corpus" para traficantes. É preciso investigar com profundidade qual o acesso e poder desse "Quedo" sobre esse aeroporto. No link, a denúncia completa:





DENÚNCIA COMPLETA
http://s.conjur.com.br/dl/denuncia-inq-743-mg.pdf

Saiba mais:
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/mg/desembargador-e-denunciado-por-vender-liminar-em-minas-gerais/n1597622557154.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

Siga o Blog por Email

Twitter Updates 2.2: FeedWitter

Seguidores

Vídeos

BoxVideos1

BoxVideos2

Noelia Brito © 2016 Todos os direitos reservados.