Vereadores assinam acordo para desocupação da Câmara, mas servidores da PCR temem que Geraldo Júlio não cumpra o compromisso firmado



Servidores da Assistência Social da Prefeitura do Recife, em greve há 21 dias, ocuparam, no último dia 1º de julho, a Câmara dos Vereadores até a meia daquele dia, quando um grupo de vereadores, liderado pelo Presidente da Casa, o vereador André Vicente Gomes, do PSB, partido do prefeito Geraldo Júlio, intermediou um acordo com os servidores, segundo o qual a Prefeitura se compromete, através do secretário de Administração, Marconi Muzzio, a criar, de imediato e por portaria, uma comissão para viabilizar a implantação do PCCV da categoria.

Além disso, ficou acordado que aos servidores da Assistência Social da PCR, a partir de janeiro de 2015, seria concedido um adicional de 10%, a título de risco de vida.

Com o encerramento da greve, caberá à mesa setorial discutir com a categoria outros pontos objeto de reivindicação durante o movimento paredista.

Por fim, haverá negociação quanto aos dias parados que deverão ser compensados em 06 (seis) meses, excetuados os sábados, os domingos e feriados.

O acordo foi referendado mediante assinatura dos Vereadores André Vicente Gomes, Aerto Luna, Henrique Leite, Luiz Eustáquio, David Muniz e Osmar Ricardo, entretanto, os servidores estão ainda receosos de que Geraldo Júlio não venha a honrar o acordo que possibilitou a desocupação da Câmara e o encerramento da greve, o que implicaria em grande desmoralização para a Casa, em especial para seu presidente, um dos comandantes da base governista do Prefeito.



Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

PAULO CÂMARA INSISTE EM EXPULSAR POLICIAIS MILITARES QUE DEFENDEM CATEGORIA, MAS PROTEGE CORONEIS DENUNCIADOS POR CORRUPÇÃO EM SEU GOVERNO INVESTIGADOS POR DESVIOS PARA CAMPANHAS DO PSB

"Jarbas Vasconcelos é um lambe-botas que escapou da Lava Jato pela prescrição", Artigo de FBC para a Folha de São Paulo desmonta falso moralismo de Jarbas e dá o tom do que será 2018

TULIO GADELHA DIVULGA CARTA REVELANDO REAIS MOTIVOS DE SUA EXONERAÇÃO DO ITERPE: "AJUSTE PARTIDÁRIO E ELEITOREIRO"