E os donos do dinheiro apreendido na sede da BRINKS, em Pernambuco, quem são? Assim como os donos do jatinho,ninguém sabe, ninguém viu.




No dia 29 de abril, deste ano, a Polícia Federal deflagrou uma Operação, em vários Estados, inclusive, em Pernambuco, chamada "Grande Truque", na qual apreendeu US$ 9 milhões na sede pernambucana da BRINKS Segurança e Transporte de Valores. Segundo a PF, uma quadrilha de doleiros operava um sistema paralelo de câmbio por meio da Brinks. O sistema funcionava da seguinte maneira: o dinheiro, em vez de ser transportado, ficava parado na BRINKS, à espera de saques, como um banco, só que sem registro no sistema financeiro.

Segundo investigadores, parte do dinheiro que passava pelo esquema seria usada para abastecer campanhas eleitorais. A estimativa da PF é que a organização criminosa, que possuía ramificações internacionais, tenha movimentado mais de 100 milhões de reais. As investigações começaram em 2010, a partir de relatórios de operações suspeitas do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).


Os doleiros foram presos, mas quem são os donos do dinheiro, assim como os donos do jatinho que vitimou o candidato à presidência do PSB e mais 6 pessoas, além de ter causado milhões em prejuízos materiais e lesões corporais aos moradores da área onde ocorreu o desastre, na Baixada Santista, ninguém sabe, ninguém viu. Tão de BRINKS ou não estão?

Comentários

  1. Sra. para seu conhecimento tal importancia apreendida na Brinks se tratava de moedas dos Bancos e corretoras oficias que sao retirados quando nescessario e tudo vem e vai imformacao ao Banco Central, apenas ficam guardadas la por seguranca

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS ACESSADAS DO MÊS

Paulo Câmara "homenageia" Dia do Orgulho LGBT+ com ação policial truculenta em região boêmia do Recife historicamente ocupada por bares e boate LGBT+ e já tem um "Stonewall" pra chamar de seu

PT já teria até escolhido marqueteiro da campanha de Marília Arraes

Prefeito do Cabo, Lula Cabral, do PSB é denunciado pelo MPPE por "montar vasto esquema criminoso de fraudes em licitações" mediante comissão dirigida por "sua ex-namorada e sua cunhada"