Partido Pirata obtém decisão judicial inédita contra "Caixa 2" e começa a colher assinaturas para concorrer às próximas eleições


A Justiça Federal do Distrito Federal concedeu uma liminar inédita ao Partido Pirata do Brasil, determinando à Delegacia da Receita Federal que expeça o CNPJ da entidade, que vinha sendo negado pelo Fisco, com o pretexto de que o Partido ainda não estaria registrado no TSE. De acordo com a Receita Federal, as agremiações partidárias somente poderiam obter CNPJ, após ter seu registro realizado junto à Justiça Eleitoral.


Dr. Marcos Bezerra Júnior é o responsável
pelo Mandado de Segurança do PPBr e que
 possibilitou o início da coleta de assinaturas
Ocorre que a exigência da Receita Federal, além de não encontrar respaldo legal, conforme reconheceu a Juíza Federal da 14ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal, ROBERTA DIAS DO NASCIMENTO GAUDENZI, na decisão que mandou a receita fornecer o CNPJ do PPBr (http://pt.slideshare.net/NoeliaBrito/decisao-liminarms1011188620154013400-copia), estimula a cultura do chamado "Caixa 2" pelos Partidos, já no momento de sua fundação, pois, ao negar o CNPJ, impede que os Partidos recebem doações dentro da legalidade e em nome do próprio Partido, para o custeio, por exemplo, da operacionalização das coletas de assinaturas. Questiona-se, portanto, como tantos partidos têm sido fundados e a "toque de caixa", sem terem CNPJ, já que a decisão obtida pelo Partido Pirata, através do Mandado de Segurança nº 1001118-86.2015.4.01.3400 e que, segundo informou ao Blog, o advogado do PPBR, Marcos Bezerra Jr., responsável pela ação, não encontra precedente na história de nosso Sistema Partidário, nem mesmo entre aqueles que se dizem porta-vozes da chamada “Nova Política”. A Juíza Federal chega a considerar a exigência da Receita apenas mais "um entrave ao partido impetrante no estabelecimento de suas atividades políticas e no exercício pleno da democracia", mandado, em seguida, expedir o CNPJ:

"Vale ressaltar que, na linha dos citados dispositivos, inexiste vinculação do deferimento do registro do estatuto no TSE para a concessão de inscrição no CNPJ, tampouco vedação legal. Vê-se, portanto, que as situações mencionadas independem uma da outra, razão porque não vejo impedimento ao partido político obter o CNPJ de forma regular enquanto aguarda o deferimento do registro de seu estatuto no TSE. Desse modo, o item 1.1.40, do Anexo XIV, da Resolução n° 1.183/2011, que condiciona a inscrição do partido politico no CNPJ ao registro do estatuto no TSE não tem o condão de impedir a sua inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, vez que não tem qualquer amparo legal. Tal imposição cria, tão-somente, um entrave ao partido impetrante no estabelecimento de suas atividades políticas e no exercício pleno da democracia. O fumus boni iuris está delineado nas razões expostas, e o periculum in mora, por sua vez, decorre da necessidade que o partido tem em adquirir meios para o seu estabelecimento e ao cumprimento dos requisitos necessarios para o registro de seu estatuto. 3. Dispositivo Diante do exposto, DEFIRO O PEDIDO LIMINAR para determinar que a autoridade coatora proceda à inscrição do partido político impetrante no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas - CNPJ, independentemente do registro de seu estatuto no TSE, expedindo-se, para tanto, o respectivo comprovante, caso este seja o único óbice. Notifique-se a autoridade coatora para apresentar as devidas manifestações, no prazo de 10 (dez) días. Dê-se ciência do feito ao órgão de representação judicial da pessoa jurídica interessada para que, querendo, ingresse no feito. Após, dê-se vista ao Ministério Público Federal. Publique-se. Brasilia-DF, 20 de fevereiro de 2015. ROBERTA DIAS DO NASCIMENTO GAUDENZI

DECISÃO NA ÍNTEGRA:

Embalados pela vitória na esfera judicial, membros do Partido Pirada iniciam, logo mais, a partir das 12:30hs, campanha de coleta de assinaturas no Mercado da Boa Vista, no Recife. Como costumam dizer os militantes do PPBr, Ahoy, Piratas!

Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

TULIO GADELHA DIVULGA CARTA REVELANDO REAIS MOTIVOS DE SUA EXONERAÇÃO DO ITERPE: "AJUSTE PARTIDÁRIO E ELEITOREIRO"

ASSALTANTE DE BANCOS ERA O LOBISTA QUE INTERMEDIAVA CONTRATOS ENTRE EMPRESÁRIOS E GOVERNOS DE PERNAMBUCO E MARANHÃO, REVELA OPERAÇÃO TORRENTES II DA POLÍCIA FEDERAL

DOIS ADVOGADOS ENTRE OS PRESOS NA OPERAÇÃO TORRENTES II. SAIBA OS NOMES DE TODOS OS PRESOS E CONDUZIDOS AQUI NO BLOG