Queiroz Galvão é reincidente em escândalo de Caixa 2 em Pernambuco


Pesquisa feita em jornais locais são suficientes para nos trazerem à memória outro escândalo de um suposto "Caixa 2" envolvendo políticos pernambucanos e que teriam sido beneficiados pela Construtora Queiroz Galvão, uma das envolvidas no chamado "Petrolão". Na época, quanto ainda não estava na moda a chamada "delação premiada", hoje em dia tão em voga, a denúncia partiu de ninguém menos que a tesoureira da empreiteira, que acusou políticos de nomeada como os ex-governadores Jarbas Vasconcelos e Joaquim Francisco e o ex-deputado Luiz Piauhylino.

Vejam as matérias, publicadas ainda em 1998 e 2002, pelos jornais Diário de Pernambuco e Jornal do Commercio:




Edição de Quinta-Feira, 24 de Outubro de 2002

Escândalo político e notoriedade
O advogado Alexandre Jorge Wanderley Pessoa de Melo ganhou notoriedade no início da década de 1990, ao trabalhar num caso de grande repercussão no Estado. Tratava-se do processo envolvendo a ex-tesoureira da construtora Queiroz Galvão, Maria de Fátima Costa do Nascimento, que denunciou a existência de um caixa 2 na empresa para pagar propinas e financiar políticos nordestinos.

  Entre os políticos acusados de receber dinheiro ilegalmente da construtora estavam o atual governador e então prefeito do Recife Jarbas Vasconcelos (PMDB) e os deputados federais Joaquim Francisco (PFL) e Luiz Piauhylino (à época no PSB e, atualmente, PSDB). De acordo com a ex-tesoureira, tais políticos receberiam doações periódicas da Queiroz Galvão, através do suposto caixa 2.

  A denúncia acabou virando livro. A Única Vítima - A Verdadeira História do Escândalo do Caixa II da Empreiteira, publicado por uma desconhecida editora de nome Quipá, com 71 páginas, narrava na primeira pessoa e em detalhes a movimentação do dinheiro não declarado pela construtora. Havia informações de que Alexandre Wanderley teria sido pivô numa negociação financeira com a Queiroz Galvão.

  O escândalo, que começou como um processo trabalhista, onde Maria de Fátima Costa do Nascimento cobrava comissões de 1% a 3% sobre a movimentação do caixa 2, ganhou contornos políticos nas eleições de 1998, quando Jarbas Vasconcelos disputou o governo pela primeira vez. O livro foi distribuído anonimamente nas redações dos jornais, enquanto Jarbas tentava na Justiça Eleitoral proibir a divulgação do conteúdo da publicação. A concessão de uma liminar neste sentido foi criticada duramente por várias entidades, inclusive o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Pernambuco, que qualificou a decisão como "volta à censura".
http://www.old.pernambuco.com/diario/2002/10/24/urbana1_3.html

Livro traz de volta "Escândalo do Caixa 2"
Quando apenas três semanas afastam os eleitores das urnas e uma diferença oscilando em quase 30 pontos separa os dois primeiros colocados na corrida pelo Governo do Estado - Jarbas Vasconcelos, da União por Pernambuco, e Miguel Arraes, da Frente Popular (candidato à reeleição) - a campanha sinaliza para o vale tudo. Os ataques extrapolaram a esfera da crítica política - a exemplo dos escândalos dos precatórios e do leite - e passaram para a âmbito pessoal com a circulação de panfletos apócrifos (impressos em gráficas clandestinas) que atingem a honra dos principais personagens.
O mais recente episódio dessa luta livre, é a publicação intitulada A Única Vítima - A Verdadeira História do Escândalo do do Caixa II da Empreiteira, assinado pela ex-tesoureira da Construtura Queiroz Galvão, Maria de Fátima Costa do Nascimento. Exemplares do livro - publicado por uma desconhecida Editora Quipá, sem registro de endereço - chegaram à redação do JC, via portador, na noite de sexta-feira. No local destinado à identificação do remetente, o nome impresso é o da própria Maria de Fátima, mas o endereço - Av. Pedro de Souza, 505 - Curado III, Recife/PE (sic) - não existe. Apesar de a rua existir no Curado III, em Jaboatão dos Guararapes, a numeração só vai até 217. Maria de Fátima, na verdade, possui uma pequena farmácia no interior do Estado e mora em município do litoral alagoano.
As 71 páginas de texto, escrito na primeira pessoa, mas em estilo jornalístico, trazem à tona um dos mais rumorosos escândalos político já denunciados no Estado. Tudo começou com uma simples ação trabalhista contra a construtora, que ganhou contornos de escândalos porque na ação a ex-tesoureira reclamava comissões de 1% a 3% sobre a administração do "caixa 2" da empreiteira, cujos recursos, segundo consta da ação, eram usados para pagar comissões lobistas, propinas e subornos a políticos e funcionários públicos de alguns estados nordestinos.
Dentre os políticos, foram relacionados o então governador Joaquim Francisco (PFL), o prefeito do Recife, à época, Jarbas Vasconcelos (PMDB) e o deputado Luiz Piauhylino (ex-PSB e atual PSDB), entre outros. Agora, cinco anos após a denúncia que lhe resultou vários processos, Maria de Fátima resolve contar "novos episódios" do caso, sem deixar claro se movida por vingança ou motivações políticas. Mas o único nome citado por diversas vezes no texto - inclusive as reproduções de documentos e matérias jornalísticas constantes dos anexos - referem-se todos a Jarbas Vasconcelos. Na verdade, a única novidade é uma ação por perdas e danos contra a construtora que ela move desde o dia 2 de julho passado.

Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

PAULO CÂMARA INSISTE EM EXPULSAR POLICIAIS MILITARES QUE DEFENDEM CATEGORIA, MAS PROTEGE CORONEIS DENUNCIADOS POR CORRUPÇÃO EM SEU GOVERNO INVESTIGADOS POR DESVIOS PARA CAMPANHAS DO PSB

"Jarbas Vasconcelos é um lambe-botas que escapou da Lava Jato pela prescrição", Artigo de FBC para a Folha de São Paulo desmonta falso moralismo de Jarbas e dá o tom do que será 2018

JUSTIÇA REVOGA LIMINAR E TRANSFORMA JARBAS E RAUL HENRY EM DOIS PESOS MORTOS NO PALANQUE DE PAULO CÂMARA. COM DECISÃO, FBC ASSUME COMANDO DO MDB E SÓ NÃO SERÁ CANDIDATO SE NÃO QUISER