Notícias




domingo, 23 de agosto de 2015

GRAMPOS DA POLÍCIA FEDERAL REVELAM QUE ESQUEMA COM TITULOS SEMELHANTE AO INVESTIGADO PELA LAVA JATO JÁ OPEROU EM PERNAMBUCO



No já tradicional “cozidão” que o deputado Jarbas Vasconcelos promoveu, em comemoração a seu aniversário, em sua casa na Praia do Janga, foi perceptível que entre os convidados, o ex-governador de Pernambuco, que tem sido apontado como possível candidato à Prefeitura do Recife, fez questão de excluir seu eventual concorrente, o atual prefeito Geraldo Júlio, do PSB, incluindo, porém, o governador Paulo Câmara, do mesmo partido do atual Prefeito e os prováveis candidatos a prefeito que devem contar com o apoio jarbista.


Entretanto, uma presença em especial chamou a atenção entre aqueles selecionados a dedo por Jarbas Vasconcelos, para compor o grupo tão seleto que desfilou nas colunas sociais junto com a autoridade máxima do Estado, o governador Paulo Câmara, quando nem mesmo o aliado de há bem pouco tempo, o prefeito Geraldo Júlio, foi convidado. Trata-se do ex-deputado federal Bruno Rodrigues (Vereador, 01/01/1993-31/12/1996, Recife, PE – PPR; Vereador, 01/01/1997-31/01/1999, Recife, PE – PPB; Deputado Estadual, 01/02/1999-31/01/2003, Pernambuco – PP; Deputado Estadual, 01/02/2003-31/01/2007, Pernambuco – PP; Deputado Federal, 2007-2011, Pernambuco – PSDB).

Por que Jarbas Vasconcelos teria resolvido ressuscitar o ex-deputado Bruno Rodrigues que andava sumido do cenário politico desde que a Polícia Federal o flagrou nos grampos da Operação “Montecarlo”, quando tentava se cacifar para disputar justamente a Prefeitura do Recife, segundo revelam conversas tidas e interceptadas nos grampos, entre o ex-deputado e o doleiro Jordão Emerenciano, um dos principais protagonistas, junto com o “homem forte do PSB”, o ex-presidente da CEASA, Romero Pontual, do escândalo de corrupção que ficou conhecido como “Mensalão Pernambucano”, revelado aqui mesmo em nosso Blog e até hoje estranhamente impune?

Em um dos relatórios da Polícia Federal, a que o Blog teve acesso, fica claro que o doleiro Jordão Emerenciano era uma espécie de Alberto Youseff dos esquemas de corrupção, em Pernambuco e que atuou, junto com o ex-deputado Bruno Rodrigues, para obter vantagens com a venda de títulos ao FUNDEPE - Fundo de Pensão dos Servidores do Estado de Pernambuco, inclusive utilizando-se de recursos do FUNDEF, para viabilizar a negociação desses títulos: "aparecem indícios de que o mesmo poderia estar envolvido na prática de crimes de tráfico de influência, corrupção ativa e passiva, possível pagamento de propina a políticos dentre outros crimes contra o Sistema Financeiro, e operações ilegais de câmbio e corretagem, o que, pelo menos em tese, se constatado mediante investigação policial, formaria verdadeira Organização Criminosa":



O relatório da Polícia Federal chega a comparar o esquema montado pelo doleiro Jordão Emerenciano juntamente com o ex-deputado Bruno Rodrigues com aquele articulado pela Corretora Bônus Banval: "O esquema montado pelo DEPUTADO FEDERAL BRUNO RODRIGUES e por JORDÃO EMERENCIANO se assemelha ao esquema praticado pela BANVAL CORRETORA que se aproveita dos fundos de pensão para fazer operações(…)", inclusive utilizando recursos do FUNDEF:














Uma das linhas de investigações seguidas pela Operação Lava Jato é justamente relacionada a fraudes na negociação de títulos com  Fundos de Pensão, como os Fundos Postalis e Petros, dos Correios e da Petrobras. O deputado Jarbas Vasconcelos também convidou o ex-secretário de Finanças da Prefeitura do Recife, Roberto Pandolfi, que recentemente esteve à frente da criação de uma empresa pública de propósito específico, a RECDA, destinada exclusivamente a lançar debêntures lastreadas em títulos da Dívida Ativa municipal no mercado. Pandolfi é considerado homem da mais inteira confiança de Vasconcelos. O Estado de Pernambuco, estuda copiar o modelo implantado por Pandolfi no Estado.



SAIBA MAIS

Debêntures de Geraldo Júlio são ilegais! Decisão do TCU sobre FEDAT/DF inviabiliza operações da RECDA para cobrir rombo da gestão Geraldo Julio na PCR



Processado por prejuízos milionários ao Postalis, BNY Melon administra R$ 49,2 milhões da Reciprev

http://noeliabritoblog.blogspot.com.br/2015/04/processado-por-prejuizos-milionarios-ao.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

Siga o Blog por Email

Twitter Updates 2.2: FeedWitter

Seguidores

Vídeos

BoxVideos1

BoxVideos2

Noelia Brito © 2016 Todos os direitos reservados.