Notícias




sábado, 24 de dezembro de 2016

COLUNA "PRETO NO BRANCO", POR JULIETA BRONTÈE


RISCOS PARA 2017

Não é novidade para ninguém que o Brasil é, hoje, ao lado da Venezuela, Bolívia e Equador, um país que corre muitos riscos para 2017. Não que tenhamos à frente do nosso governo tipos como aqueles que governam os citados países. Seria desgraça demais ser governado por tipos como Nicolás Maduro, Evo Morales ou Correa. Mesmo assim, o presidente que temos, embora não lhe falte tarimba política, deixou-se envolver com maus políticos, principalmente do seu PMDB.

Por essas e por outras, chama à atenção informação de que a ação impetrada no STF contra Temer, se for aprovada, conduzirá o país a uma eleição direta em 2017. Essa possibilidade não é nada remota, já que a referida ação contra Temer. já foi liberada pelo relator, ministro Luís Roberto Barroso. Se o Plenário aprovar a matéria, será necessário a aprovação, pelo Congresso, de uma Proposta de Emenda à Constituição – PEC, para que essa eleição seja realizada.

Até aí, tudo bem, mas há muitos “nós” a serem desatados. A começar pela dificuldade para aprovar uma PEC dessa natureza, com 85% do Congresso ao lado do presidente. Acresça-se a isso, as agitações que uma nova eleição direta, em curto prazo, com o país sendo sacudido por paixões político-ideológicas, poderá provocar. Principalmente porque, para essa disputa, há uma vergonhosa escassez de pré-candidatos capazes de capitalizar a confiança da maioria dos brasileiros.

MAIS UM “INOCENTE” – Até que demorou, mas a Procuradoria-Geral da República terminou por anunciar um dos nomes mais esperados, entre os acusados de negócios, escusos com o dinheiro público – o deputado José Guimarães, alvo, há mais de 10 anos, de denúncias sobre práticas ilícitas. Indignado, ele vem a público para se declarar, mais uma vez, inocente. Vai ter que provar. O que não será fácil.

TEM RAZÃO – Se o TCM mereceu ou não ser extinto, o futuro é quem dirá. Mas, em, meio à polêmica discussão sobre o momentoso assunto, algumas verdades ditas pelo presidente eleito (não empossado) do TCM Domingos Filho, merecem atenção. Uma delas: o que será mais caro, o TCM, ou os “tatuzões do CID”, que custaram milhões, não cavaram nenhum buraco, e são destruídos pela ferrugem?…

ENJOADO – O vereador Guilherme Sampaio (PT) é mesmo uma figurinha bem atípica. Adversário do prefeito RC, aceitou uma Secretaria do governador petista Camilo Soares, que acabou deixando para apoiar a candidatura da ex-prefeita Luizianne em outubro. Quando se pensava que se aproximaria do prefeito reeleito, ele, sem explicações, nem compareceu diplomação para não se deparar com ele.

BIPOLAR – Quando se analisa neutramente o TCM, sente-se que aquela instituição sempre teve algum traço de bipolaridade. Isso porque, como se sabe, conseguiu tirar de circulação alguns gestores desonestos. Entretanto, por motivos políticos, terminou passando ao largo de algumas das administrações mais desastrosas, onde prefeitos ímprobos levaram à falência os seus municípios.

FEITIÇO X FEITICEIRO – Depois de ter se esbaldado para derrubar o presidente Collor, liderando o exército dos “caras pintadas”, o senador Lindbergh “Zé Bonitinho” Farias (PT-RJ) vê a Justiça se virar contra ele. Nesta semana, ele foi, por duas vezes, condenado pela Justiça por atos ilícitos, Em ambos os julgamentos, foi “premiado” com a suspensão dos direitos políticos por 5 anos.

E AGORA? – O TCM, antes de ser desmontado, ainda prestou um belo serviço ao estado: esmiuçou, nos mínimos detalhes, irregularidades em 40 prefeituras que apresentaram problemas sérios para os prefeitos eleitos, futuros ocupantes, ameaçando entregar, como sempre ocorre, as cidades em clima de anarquia e pré-falência. Com seus relatórios, o MP pode limpar os caminhos para novas gestões.

* Publicada todas às sextas-feiras no Jornal "O Estado", do Ceará

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

Siga o Blog por Email

Twitter Updates 2.2: FeedWitter

Seguidores

Vídeos

BoxVideos1

BoxVideos2

Noelia Brito © 2016 Todos os direitos reservados.