Notícias




terça-feira, 6 de dezembro de 2016

DELAÇÕES DE EXECUTIVOS DA ODEBRECHT E DA ANDRADE GUTIERREZ LEVAM PÂNICO AO PSB DE PERNAMBUCO


A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – SG/Cade divulgou, na tarde de ontem, a  celebração de mais um acordo de leniência no âmbito da Operação Lava Jato. Desta vez o acordo, que se assemelha às chamadas "delações premiadas" assinadas pelo Ministério Público e homologado pela Justiça para amenizar a punição de pessoas físicas no âmbito de processos criminais, foi assinado com a Andrade Gutierrez Engenharia S/A e com executivos e ex-executivos da empresa. 

Ao Cade foi relatado todo o esquema de formação de um cartel entre as maiores construtoras do País, para as obras de construção civil, modernização e/ou reforma de instalações esportivas, destinadas à Copa do Mundo realizada no Brasil, em 2014. 

No âmbito da Lava Jato, já é o terceiro acordo de leniência assinado pela Andrade Gutierrez com o CADE e o sétimo assinado pelo órgão no combate à formação de cartéis.

Os acordos de leniência contam com a participação do Ministério Público Federal e são assinados apenas com a primeira empresa proponente (ou seu grupo econômico), que deve cessar seu envolvimento na conduta, confessar o ilícito e cooperar plena e permanentemente com as investigações, identificando os demais envolvidos e apresentando provas e informações relevantes. A leniência beneficia os signatários com a extinção ou a redução de um a dois terços da punição no âmbito do Cade. O acordo é assinado em conjunto com o Ministério Público e beneficia que o assinada com a imunidade penal total ou parcial, assemelhando-se à chamada "delação premiada".

Pelo menos cinco certames relacionados a obras de estádios da Copa do Mundo foram objeto do cartel, entre eles a Arena Pernambuco, em Recife/PE e o Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro/RJ. A licitação e o contrato do governo de Pernambuco com a Odebrecht, "vencedora" do certame, inclusive, foi alvo da Operação "Fair Play", da Polícia Federal e resultou em pedido de abertura de inquérito, junto ao Supremo Tribunal Federal, contra o governador do Estado Paulo Câmara, o prefeito do Recife Geraldo Júlio, o deputado federal Tadeu Alencar e o senador Fernando Bezerra Coelho, os três primeiros por integrarem o Comitê das Parcerias Público Privadas e terem sido os responsáveis pela assinatura do contrato com a Odebrecht para as obras da Arena Pernambuco.

Durante a “Fase I” do cartel, as empresas realizaram um acordo anticompetitivo preliminar consistente na indicação dos respectivos interesses nas futuras obras, a fim de se compatibilizar a participação das empresas por meio da apresentação de propostas de cobertura, supressão de propostas, subcontratação ou formação de consórcios, bem como no monitoramento de referido acordo preliminar. Dois executivos da Odebrecht eram os responsáveis pelo acompanhamento dos acordos "anticompetitivos" representando a empreiteira baiana, de modo a garantir que se sagrasse a "vencedora" da licitação da Arena Pernambuco, revela o "Histórico de Conduta" divulgado ontem pelo CADE. Eram eles o vice-presidente Benedicto Barbosa e o diretor superintendente da área Norte da empresa, João Antônio Pacífico:






Conforme se percebe do Histórico de Conduta revelado pelo CADE e assinado pela Andrade Gutierrez e por seus diretores, João Pacífico ficou encarregado de entrar em contato com os diretores da AG para que "acertassem a cobertura que a Andrade Gutierrez apresentaria no Projeto de Recife/PE (Arena Pernambuco). Afirmam que os entendimentos entre João Antônio Pacífico e (sigiloso) ocorreram em almoço realizado no restaurante 'Alcaparras', no Rio de Janeiro, em 24 de fevereiro de 2010 (Documento 28), como demonstrado a seguir. Ressalte-se que o almoço antecedeu em cerca de um mês a data da entrega das propostas, que ocorreu em 22 de março de 2010."






Mais adiante, os executivos da Andrade Gutierrez que participaram do conluio para lesar o povo de Pernambuco juntamente com a Odebrecht no negócio da Arena confessam que aquela empresa "de fato se sagrou vencedora deste projeto, por meio de um consórcio firmado entre empresas do Grupo Odebrecht (Consórcio Cidade da Copa, Odebrecht Investimentos em Infraestrutura Ltda e Odebrecht Serviços de Engenharia e Construção S/A). O contrato para realização das obras da Arena foi assinado em 15 de junho de 2010."

Segundo, ainda, os delatores, "a proposta de cobertura apresentada pela Andrade Gutierrez foi elaborada pela Odebrecht e entregue à Andrade Gutierrez, apenas para a assinatura e apresentação na data estipulada pelo órgão licitante." Informa, ainda, que o caso do Recife foi uma exceção, onde "a proposta de cobertura a ser apresentada pela Andrade Gutierrez foi elaborada pela Odebrecht" que apresentou uma proposta de R$ 385.548.786,22 contra uma proposta de R$ 379.263.314,00, da Odebrecht e que garantiu a esta a "vitória" previamente acertada.




Laudo do Instituto Nacional de Criminalística da Polícia Federal (Laudo nº 811/2014) já apontava para a evidência de fraude na Concorrência Internacional da Arena Pernambuco quando destacava o quão incomum era, num ambiente de ampla concorrência, a ocorrência de um percentual tão baixo  de desconto, apenas 0,1%, o que comprovaria a baixa competitividade do certame:



 
Na decisão que autorizou as buscas e apreensões no âmbito da Operação "Fair Play", fica bastante claro que a Odebrecht se autofavoreceu quando elaborou o projeto básico, estabelecendo ali que caberia à vencedora o pagamento do valor de R$ 9.354.000,00 pelo projeto básico, sem sequer justificar qual seriam as razões para esse arbitramento desse valor:


O cotejo entre as revelações trazidas a público pelo acordo de leniência da Andrade Gutierrez, assinada com o CADE e o Ministério Público e o Laudo da Polícia Federal, formulado no âmbito da Operação "FairPlay" deixa claro e cristalino o quão é grave a situação dos caciques do PSB, em Pernambuco, leia-se, o governador do Estado, Paulo Câmara, o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, do senador, Fernando Bezerra Coelho e do deputado federal Fernando Bezerra Coelho, contra os quais já há pedido de indiciamento formulado pelo procurador geral da República, Rodrigo Janot (Inquérito 4292, em trâmite no STF, Leia AQUI) e nas delações premiadas de executivos da própria Odebrecht, principalmente do ex-diretor superindente para a área Norte, João Antônio Pacífico, que além de ser o responsável por negociar as fraudes na licitação da Arena, ainda assinava como o responsável técnico pela obra.

Na delação de Pacífico, que ainda é mantida sob sigilo, os papeis de todos os elementos que compõem os núcleos político e empresarial são revelados.

O relatório final da Polícia Federal que embasou o pedido de indiciamento do governador de Pernambuco, Paulo Câmara e do prefeito do Recife, Geraldo Júlio, juntamente com os parlamentares pernambucanos que têm foro privilegiado no Supremo, ou seja, Tadeu Alencar e Fernando Bezerra Coelho, chega a afirmar que “A construção da obra não teria ocorrido sem a colaboração dos agentes políticos que, primeiramente, autorizaram a construtora Odebrecht a realizar estudos preliminares e e elaborar o projeto básico da obra, sem a realização de qualquer procedimento de licitação”:



O Laudo Pericial que dá sustentação ao Relatório e ao pedido de indiciamento ainda constatou que o Comitê Gestor das Parcerias Público Privadas do Governo de Pernambuco delegou à Odebrecht e à empresa ISG Brasil sem qualquer concorrência, a elaboração do Projeto Básico que, posteriormente, de acordo com o Acordo de Leniência assinado pela Andrade Gutierrez, veio a ser vencida, mediante conluio prévio pela própria Odebrecht:




Além de delegar à Odebrecht que se autocontratasse, sem qualquer competição, para fazer o projeto básico de uma licitação da qual sabia que seria a vencedora, o Comitê Gestor das PPP, composto por Paulo Câmara, Geraldo Júlio, Tadeu Alencar e Fernando Bezerra Coelho, dentre outros, ainda permitiu que esta subcontratasse uma empresa sediada em Amsterdã, na Holanda, para que fizesse o serviço. vejamos:

Janot ainda menciona suspeitas de recebimentos de doações oficiais recebidas por esses políticos, tanto da Odebrecht, quanto da Projetec, a quem caberia fazer a fiscalização da execução do contrato, serviço que não teria sido executado. Paulo Câmara, teria recebido R$ 200 mil da Odebrecht para sua campanha a governador em 2014. Fernando Bezerra teria recebido R$ 50 mil da Odebrecht e R$ 50 mil da Projetec e Tadeu Alencar, R$ 30 mil de cada uma das duas. Geraldo Júlio aparece na famosa "Planilha da Odebrecht" como beneficiário de um pagamento de R$ 3 milhões, sob o apelido de "Neto". Essa doação, entretanto, não aparece em nenhuma de suas prestações de contas eleitorais (Leia mais em NETO, CHARADA E CACIQUE ERAM OS CODINOMES DE GERALDO, FBC E LABANCA NA LISTA DA ODEBRECHT).

A Polícia Federal, no relatório citado por Janot, considera que teriam sido praticados os crimes de restrição à competitividade da licitação, o pagamento de propina via doações oficiais e até eventuais crimes contra o sistema financeiro relacionados ao financiamento do BNDES: “Extrai-se que a superestimação do valor da obra foi motivada para se burlar o teto do financiamento autorizado pelo BNDES, que era de 75% de seu valor total, observado o teto de R$ 400 milhões. Com a superestimação do valor da obra, o BNDES acabou financiando integralmente o seu custo, e não apenas 75%”.

Para o caso da Arena, estariam sendo ouvidos pelo menos quatro delatores (colaboradores) ligados à Odebrecht e à Andrade Gutierrez: Maria Lúcia Tavares e Angela Palmeira Ferreira (Odebrecht) e Clóvis Primo e Rogério Nora de Sá (Andrade Gutierrez), além de João Antônio Pacífico Ferreira,  que chegou a ser alvo de mandado de busca e apreensão na Operação Fairplay:




LEIA AQUI O HISTÓRICO DE CONDUTA DO ACORDO DE LENIÊNCIA DIVULGADO PELO CADE ENVOLVENDO A ANDRADE GUTIERREZ E QUE REVELA COMO FOI FEITO O CONLUIO PARA QUE OS ESTÁDIOS DA COPA DO MUNDO DE 2014 FOSSE CONSTRUÍDOS COM PREÇOS SUPERFATURADOS

Um comentário:

  1. A sua hora vai chegar, Paulo Câmara...
    Mandaste prender injustamente Alberisson, um trabalhador pai de família honesto...

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.

Siga o Blog por Email

Twitter Updates 2.2: FeedWitter

Seguidores

Vídeos

BoxVideos1

BoxVideos2

Noelia Brito © 2016 Todos os direitos reservados.