EXCLUSIVO: VEJA OS DOCUMENTOS ANEXADOS À DELAÇÃO DA JBS CONTRA PAULO CÂMARA, GERALDO JÚLIO E FERNANDO BEZERRA COELHO, DO PSB DE PERNAMBUCO



Em delação premiada perante a Procuradoria Geral da República, o executivo Ricardo Saud, da JBS, revelou que logo após a morte do ex-governador Eduardo Campos, o então candidato ao governo do Estado de Pernambuco, Paulo Câmara, acompanhado do já prefeito do Recife, Geraldo Júlio, teriam-no procurado para pedir o que o próprio delator chamou, em vídeo divulgado pelo telejornal NETV, da Rede Globo, de "propina", para ajudar a eleger Paulo Câmara governador. Em seu depoimento, o delator Ricardo Saud afirma que Geraldo Júlio e Paulo Câmara teriam feito, inclusive, um apelo sentimental à memória de Campos. 

Para corroborar seu depoimento, Saud menciona a utilização de empresas que teriam sido utilizadas como intermediárias para que os pagamentos para as campanhas de Eduardo Campos à presidência, de Paulo Câmara ao governo do Estado e de Fernando Bezerra Coelho, ao Senado, fossem realizados, chegando a citar valores e até números de notas fiscais "frias" utilizadas na "lavagem" do dinheiro repassado às campanhas do dois candidatos.

No Anexo 36, da delação premiada de Ricardo Saud, há notas e apontamentos feitos de próprio punho, indicando que do dinheiro repassado pela JBS ao PSB, R$ 11.100.000,00 teriam sido para a Nacional, R$ 2.950.000,00 para a Regional pernambucana, já que no cabeçalho são indicados apenas os nomes de Paulo Câmara e Fernando Bezerra Coelho e outros R$ 400 mil para o PPL, Partido da Pátria Livre, de São Paulo, da cota destinada pela JBS ao pagamento do que os próprios executivos da JBS chamam de "propina" ao PSB, sendo que desses valores, R$ 3 milhões teriam sido em espécie e R$ 1.210.000,00 em notas fiscais "frias", totalizando R$ 18.660.000,00.



Segundo Saud, para operacionalizar os pagamentos as empresas utilizadas teriam sido a HMJ Consultoria Econômica Ltda., indicada pelo operador de Eduardo Campos em São Paulo, de nome Henrique Costa, entretanto, quem assina o contrato fictício de prestação de serviços anexado à delação, como prova, pela JBS, na condição de representante da HMJ é uma pessoa de nome Mirian Costa. 

Outra empresa apontada como "laranja" nas operações de lavagem é a Arcos Propaganda, que teria sido utilizada por um intermediário do senador Fernando Bezerra Coelho, o empresário André Gustavo. 

Além das notas, Ricardo Saud fez anexar à sua delação, contratos de prestação de serviço que afirma fictícios, notas fiscais e comprovantes de transferências bancárias, que podem ser conferidos adiante:




















MATÉRIA VEICULADA NO NETV COM O VÍDEO DA DELAÇÃO DE RICARDO SAUD


Comentários

  1. Paulo Câmara
    Geraldo Júlio
    Fernando Bezerra coelho...
    Devem ter seus mandatos cassados, para que a justiça seja feita nesse Estado...
    Os Pernambucanos que votaram nesses crápulas, como se sentem, agora???

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS ACESSADAS DO MÊS

PAULO CÂMARA INSISTE EM EXPULSAR POLICIAIS MILITARES QUE DEFENDEM CATEGORIA, MAS PROTEGE CORONEIS DENUNCIADOS POR CORRUPÇÃO EM SEU GOVERNO INVESTIGADOS POR DESVIOS PARA CAMPANHAS DO PSB

"Jarbas Vasconcelos é um lambe-botas que escapou da Lava Jato pela prescrição", Artigo de FBC para a Folha de São Paulo desmonta falso moralismo de Jarbas e dá o tom do que será 2018

JUSTIÇA REVOGA LIMINAR E TRANSFORMA JARBAS E RAUL HENRY EM DOIS PESOS MORTOS NO PALANQUE DE PAULO CÂMARA. COM DECISÃO, FBC ASSUME COMANDO DO MDB E SÓ NÃO SERÁ CANDIDATO SE NÃO QUISER