Notícias




quarta-feira, 24 de maio de 2017

USADO PARA JUSTIFICAR USO ILEGAL DAS FORÇAS ARMADAS CONTRA MANIFESTANTES, PRESIDENTE DA CÂMARA DESMENTE JUNGMANN E EXIGE QUE MINISTRO RESTABELEÇA A VERDADE



O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia desmentiu o ministro da Defesa Raul Jungmann que, juntamente com o presidente Michel Temer, assinou um Decreto autorizando o uso das Forças Armadas contra manifestantes que ocupam a Esplanada dos Ministérios e a Praça dos Três Poderes, no dia de hoje, em protesto contra as Reformas Trabalhista e Previdenciária que retiram direitos de trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos.

Link para o Diário Oficial

Após receber pesadas críticas de vários setores da sociedade civil, inclusive de juristas que veem ilegalidade no Decreto e até crime de responsabilidade (Leia AQUI e AQUI) pelo uso indevido das Forças Armadas, contra manifestantes, a pretexto de assegurar a "manutenção da lei e da ordem", fazendo relembrar os Atos Institucionais da Ditadura Civil-Militar inaugurada em 1964, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, que insiste em permanecer no cargo, mesmo após a saída de seu próprio partido, o PPS, do governo, tentou jogar a culpa pelo desatino, no presidente da Câmara, Rodrigo Maia, alegando que o uso das Forças Armadas fora para atender um pedido de Maia.

Instado a se explicar perante seus pares, Maia desmentiu Raul Jungmann e apresentou a cópia do ofício onde constava pedido bem diverso daquele alegado pelo ministro. No ofício assinado por Maia está claramente  solicitado o auxílio da Força Nacional e não das Forças Armadas, o que comprova que não só o ministro da Defesa mentiu quanto aos motivos pelos quais enviou as Forças Armadas, para atuar nas ruas contra manifestantes, como houve excesso e desvio de finalidade no decreto presidencial por ele subscrito em conjunto com o presidente Michel Temer, pois não houve, sequer, qualquer pedido nesse sentido.



Rodrigo Maia chegou a dizer esperar que "o ministro restabeleça a verdade", ou seja, chamou o colega governista de mentiroso e, de fato, à luz do que foi declarado pelo ministro da Defesa, do escândalo causado pelo decreto, que se lastreou num factoide - e o que é pior -, ao que tudo indica, criado pelo presidente da República e por seu ministro da Defesa e do ofício apresentado por Maia, Jungmann mentiu e se não fosse ministro de um governo que está, ele mesmo, a um passo do precipício, já teria sido demitido por cometer tamanho desatino e irresponsabilidade, para não dizer atentado contra nossa já cambaleante democracia. Demonstrando irritação, Maia declarou: "O ministro deu uma coletiva dizendo que o pedido de GLO era um pedido da presidência da Câmara. Eu afirmo e reafirmo que isso não é verdade. Por parte do presidente da Câmara, o pedido de apoio da Força Nacional foi para o prédio da Câmara e no seu entorno. Se o governo decidiu adotar outra medida, essa outra medida é uma responsabilidade do governo. Não pode nem deve ser da Câmara". E arrematou: "Pedi ao líder do governo que pudesse entrar em contato com o ministro da Defesa para que ele pudesse restabelecer a verdade."



Segundo o Estadão, líderes da base aliada e da oposição que estiveram presente à reunião com o presidente da Câmara relataram que Maia demonstrou bastante irritação com a atitude do ministro da Defesa. Segundo esse líderes, Maia afirmou que como filho de um exilado político durante a ditadura militar, nunca pediria o uso das Forças Armadas para conter manifestações. O pai do presidente da Câmara, o vereador e ex-prefeito do Rio César Maia (DEM) foi exilado para o Chile durante o regime militar. Por conta disso, Maia acabou nascendo no Chile.




  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.

Siga o Blog por Email

Twitter Updates 2.2: FeedWitter

Seguidores

Vídeos

BoxVideos1

BoxVideos2

Noelia Brito © 2016 Todos os direitos reservados.