EMPRESAS INVESTIGADAS PELA POLÍCIA FEDERAL NA OPERAÇÃO "MATA NORTE" POR FRAUDES EM LICITAÇÕES DA MERENDA TÊM CONTRATOS MILIONÁRIOS SEM LICITAÇÃO COM SECRETARIAS ESTADUAIS LIGADAS À SEGURANÇA PÚBLICA E À RESSOCIALIZAÇÃO DE PRESOS E MENORES

Operação "Mata Norte" foi resultado do trabalho conjunto da
Polícia Federal e da Controladoria Geral da União

As empresas FJW EMPRESARIAL LTDA - ME, RADAR MERCANTIL LTDA - ME, ELIAB AMERICO COUTINHO ME (COMERCIAL AMÉRICO), GABRIEL SEVERINO DA SILVA  ME (GS COMERCIO), que foram alvo da Operação "Mata Norte, da Polícia Federal, realizada em Pernambuco, no último dia 21 de setembro do corrente ano têm um ponto em comum que chama atenção: apesar de terem sido apontadas pela Polícia Federal e pela Controladoria Geral da União, como envolvidas em um esquema de fraudes em licitações montadas em uma prefeitura do interior do Estado de Pernambuco, para superfaturar contratos para fornecimento de merenda escolar, no caso, Lagoa do Carro, todas elas são beneficiárias de contratos milionários com secretarias e órgãos ligados à Segurança Pública, à Ressocialização de presos ou menores infratores do Estado de Pernambuco ou ao Ministério da Defesa do governo Federal.

É estranho que nosso humilde Blog tenha percebido tais contratos, mas nem o Tribunal de Contas de Pernambuco, que tem um Portal só para monitorar tais contratos, nem o Ministério Público de Contas daquele Tribunal, tenham visto esses contratos milionários (SEM LICITAÇÃO), dessas empresas com órgãos como a Casa Militar, a Seres, o Corpo de Bombeiros e outros órgãos mais, limitando-se a fiscalizar prefeiturinhas e contratos de pequenos valores. Não fossem as Operações Comunheiro I e II, promovidas pela Polícia Civil de Pernambuco (apesar da insistente tentativa de políticos envolvidos e patrocinados pela Máfia da Meurenda e outras Máfias viverem tentando transferir a competente Delegada Patrícia Domingues, titular da Delegacia de Combate aos Crimes contra a Administração Pública) e a Operação "Mata Norte" da Polícia Federal, o fio da meada não teria sido puxado para trazer à tona essa verdadeira organização criminosa que comanda a Máfia da Merenda no Estado de Pernambuco, financiando políticos e suas campanhas milionárias (Leia EMPRESA ALVO DA OPERAÇÃO "MATA NORTE" DA PF CONTRA FRAUDES EM LICITAÇÕES DA MERENDA ESCOLAR RECEBEU MAIS DE R$ 40 MILHÕES DO GOVERNO DE PERNAMBUCO), roubando o pão de cada dia das crianças e financiando todo tipo de bandidagem e até a insegurança que grassa em nosso Estado. 

A Operação Mata Norte resultou, segundo a assessoria de Comunicação da Superintendência da Polícia Federal,  na prisão de nove pessoas apontadas como envolvidas em fraudes em licitações na cidade de Lagoa do Carro, quais sejam, SEVERINO JERÔNIMO DA SILVA (conhecido como "Jailson do Armazem", ex-prefeito de Lagoa do Carro, pelo PSB e já recolhido ao COTEL), SILVIA MARIA SANTOS PORTO (ex-secretária de Educação de Lagoa do Carro, já recolhida à Colônia Penal Feminina do BOM PASTOR), ADEILDO MARQUES DOS SANTOS JÚNIOR (Pregoeiro de Lagoa do Carro e recolhido ao COTEL), TACIANA SANTOS COSTA (responsável pela empresa FJW e recolhida à Colônia Penal Feminina do BOM PASTOR), JOÃO HENRIQUE DOS SANTOS (recolhido ao COTEL), RICARDO HENRIQUE REIS DOS SANTOS (recolhido ao COTEL); CARLOS EDUARDO BRITO DE ALBUQUERQUE (proprietário da empresa C & R Mercantil, recolhido ao COTEL), ELIAB AMÉRICO COUTINHO (dono da ELIAB AMERICO COUTINHO ME (COMERCIAL AMÉRICO, recolhido ao COTEL) e JULLY ANNE DE MORAIS BARROS (representante da empresa RADAR, cuja prisão foi relaxada após a audiência de custódia realizada na Justiça Federal).

Já o empresário Gabriel Severino Silva, conhecido como "Gabriel Planta", proprietário da empresa G. S. Comércio (Razão Social: Gabriel Severino da Silva - ME), CNPJ 07.211.531/0001-72, com sede em Nazaré da Mata, foi alvo de condução coercitiva. Após prestar esclarecimentos sobre a participação de sua empresa no certame, foi liberado.

Mas precisamos saber quem são essas pessoas presas, ou conduzidas coercitivamente para depor e a quem se reportam para realizarem suas práticas delitivas, pois estes e estas que hoje estão no Cotel e no Bom Pastor, é claro que não passam de laranjas a serviço dos verdadeiros chefões do crime organizado que há anos vêm assaltando os cofres públicos do Estado de Pernambuco e o que é pior, com a conivência e até cumplicidade de autoridades ligadas às forças que deveriam cuidar da nossa segurança e defesa.















Já demonstramos em matéria anterior (Leia AQUI) o poderio da empresa  FJW, cuja representante Taciana Santos Costa está presa no Bom Pastor, depois que a Justiça Federal manteve sua prisão em audiência de custódia. Essa empresa, com sede em Paulista, teria como dono um certo MAURICIO ALVES MARTINS, entretanto, segundo nossas fontes, pertenceria, na verdade, a um tal de Ricardo Padilha, de quem Taciana seria apenas "laranja". Ricardo Padilha seria um conhecido doador de campanhas eleitorais, que tem afirmado que "não cai" porque se cair leva junto quem "recebeu". Não conseguimos até agora identificar quem é Ricardo Padilha, mas certamente, a Polícia Federal tem todos os mecanismos para localizar tal pessoa, já que, ao que tudo indica, a maioria dos presos não passam de pequenas engrenagens nessa verdadeira linha de montagem de assaltos aos cofres públicos que foi ardilosamente construída pelos poderosos de Pernambuco.

Os presos que sequer aparecem nos contratos sociais das empresas envolvidas e nem, muito menos, parecem ter tanta influência assim, a ponto de conseguirem a proeza de  conquistar milhões em contratos sem licitação com o governo de Pernambuco. Será que é por isso que o TCE nunca fiscalizou os contratos da FJW com a Casa Militar e outras secretarias do Governo Paulo Câmara e Eduardo Campos? Certamente uma pergunta que será em breve respondida pela Polícia Federal (se o TRF da 5ª Região não atrapalhar como atrapalhou ao arquivar a Operação Turbulência). É preciso urgentemente descobrir quem é esse Ricardo Padilha!!! (O trecho a seguir foi censurado pelo Juiz Elson Zoppelaro da 20ª Vara Criminal, na ação 0024218-51.2017.8.17.0001, atendendo a pedido do pai do dono da Casa de Farinha, Romero Fittipaldi Pontual, a quem a Polícia Federal chama em relatório enviado ao MPPE para apresentação de denúncia referente à Operação "Farda Nova" de "homem forte do PSB": Romero Pontual todos já sabemos quem é, só não sabemos o porquê de ainda não ter sido preso ou mesmo denunciado pelo Ministério Público de Pernambuco)(Leia MENSALÃO PERNAMBUCANO: ROMERO PONTUAL É O HOMEM FORTE DO PSB, CONCLUI POLICIA FEDERAL e LULA CABRAL PRORROGA CONTRATOS COM EMPRESA "CASA DE FARINHA" E GARANTE MAIS DE R$ 6 MILHÕES SEM LICITAÇÃO A EMPRESA DE ROMERINHO, FILHO DO INTOCÁVEL EX-PRESIDENTE DA CEASA):

Já a empresa RADAR MERCANTIL, que teria como dono um tal de Diógenes Alves da Silva e cuja representante Jully Anne de Morais Barros teve a prisão relaxada pela Justiça Federal depois da Audiência de Custódia, assim, como a FWJ, é velha conhecida da FUNASE, tendo sido contratada, sem licitação, em 2014, para fornecer gêneros alimentícios perecíveis (frigorífico) para as unidades de Arcoverde, Caruaru, Petrolina e Garanhuns.







Entretanto, os pontos altos dos contratos da RADAR MERCANTIL com o governo de Pernambuco são a Secretaria de Administração e a Secretaria de Ressocialização. Observem a exorbitância dos valores pagos a essa empresa por essas duas secretarias, TODAS SEM LICITAÇÃO! Foram nada menos que R$ 19.690.432,00 em contratos dessa empresa com a Secretaria de Administração, todos sem licitação!!! Com a SERES, foram mais R$ 4.215.582,00, também sem licitação, totalizando R$ 23.906.014,00 contratados com essa tal de RADAR Mercantil só pelo Estado de Pernambuco e o TCE não viu isso? Estranho...Quem está, afinal, por trás desses contratos milionários e sem licitação do governo de Pernambuco com essa RADAR MERCANTIL?


DISPENSA DE LICITAÇÃO 84/2014, DA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO/PE (Gêneros Alimentícios)
VALOR: R$ 2.428.593,90


DISPENSA DE LICITAÇÃO 5/2015, DA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO/PE (Gêneros Alimentícios)
VALOR: R$ 3.709.144,90
DISPENSA DE LICITAÇÃO 4/2015, DA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO/PE (Gêneros Alimentícios)
VALOR: R$ 6.655.588,84



DISPENSA DE LICITAÇÃO 53/2014, DA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO/PE (Gêneros Alimentícios)
VALOR: R$ 3.465.916,50
DISPENSA DE LICITAÇÃO 52/2014, DA SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO/PE (Gêneros Alimentícios)
VALOR R$ 3.431.191,00
PREGÃO ELETRÔNICO 10/2014, DA SERES (MATERIAL DE LIMPEZA)
VALOR: R$ 115.938,00 (Gêneros Alimentícios)


DISPENSA DE LICITAÇÃO 4/2014, DA SERES (Gêneros Alimentícios)
VALOR: R$ 4.215.583,20
PREGÃO ELETRÔNICO 8/2013, DA SERES (material de proteção e segurança)
VALOR: R$ 41.320,00
PREGÃO ELETRÔNICO 4/2013, DA SERES (material de limpeza, conservação e higiene)
VALOR: R$ 211.790,00






Já a Eliab Américo Coutinho Ltda. cujo representante está preso no COTEL pelas fraudes em Lagoa do Carro, tem contratos para fornecer para o Hospital Militar, para o Colégio Militar do Recife, para o Hospital da Clínicas da UFPE e para o Corpo de Bombeiros da Polícia Militar.









Por sua vez, empresário Gabriel Severino Silva, conhecido como "Gabriel Planta", proprietário da empresa G. S. Comércio (Razão Social: Gabriel Severino da Silva - ME), CNPJ 07.211.531/0001-72, que foi conduzido coercitivamente para prestar depoimento na mesma operação, em razão da participação de sua empresa na licitação de Lagoa do Carro, apontada como "montada", pela Polícia Federal e pela CGU, também aparece como grande contratante com o governo de Pernambuco (em vídeo divulgado pela Assessoria de Comunicação da Polícia Federal é possível identificar o momento em que o ex-prefeito de Lagoa do Carro, Severino Jerônimo da Silva, conhecido como Jaílson do Armazém, de muletas, chega preso na sede da Superintendência da PF, no Recife. No mesmo vídeo, também é possível identificar a chegada do empresário Gabriel Planta, vestindo camisa branca e com a cabeça coberta com um pano amarelo. Um terceiro homem aparece no vídeo, sendo conduzido, mas não conseguimos ainda identificá-lo: 




Em entrevista a uma rádio de Nazaré da Mata (cujo áudio gravado está em poder da editoria do Blog), Gabriel Planta afirmou que participou do processo de licitação, mas que sua empresa teria sido desclassificada por apresentar preços muito elevados, acima daqueles oferecidos pela vencedora do Certame, a FJW. Ocorre, que a linha de investigação seguida pela Polícia Federal é justamente no sentido de que o processo teria sido "montado" por meio de um conluio entre os licitantes. 

Noutro trecho da entrevista, Gabriel Planta revela que teria dito ao delegado federal que colheu seu depoimento, que assinaturas suas teriam sido falsificadas para que sua empresa fosse utilizada para a realização das fraudes e que iria processar as pessoas que fizeram uso da empresa para tais práticas ilícitas, tão logo a Polícia Federal as identificasse. Há uma contradição, pelo menos na entrevista, já que ora afirma que participou, mas perdeu por apresentar preços muito elevados, ora afirma que alguém teria falsificado sua assinatura para usar indevidamente sua empresa para fraudar o certame.



Coincidentemente, a empresa de Gabriel Planta também foi contratada para fornecer para a Secretaria de Ressocialização de Pernambuco, conforme se pode verificar consultando o Portal "Tome Conta" do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (lamentamos que o próprio TCE não faça uso de importante instrumento, pois conforme demonstramos acima, não instaurou nenhum procedimento para investigar as estranhas dispensas de licitações milionárias para que secretarias do Estado de Pernambuco contratassem empresas mafiosas cujos representantes ou sócios acabaram presos por esquemas em pequenas prefeituras, mas não por contratos com as secretarias do governo Paulo Câmara ou Eduardo Campos), sendo que outra empresa investigada na mesma Operação, aliás, as outras investigadas na mesma operação também firmaram contratos, com ganhos impressionantes, com o governo Estadual. É preciso esclarecer se para esses contratos também a empresa do Sr. Gabriel Planta foi "sequestrada" por fraudadores. Por meio de apenas 25 Empenhos, a empresa de Gabriel Planta recebeu nada menos que R$ 4.689.393,03 milhões do governo de Pernambuco, por intermédio da SERES. Esses contratos foram ganhos licitamente ou também foram conquistados por meio de assinaturas falsificadas como alega o empresário com relação à participação de sua empresa na licitação de Lagoa do Carro?




O empresário Gabriel Planta é filiado ao PR e tem ligações políticas com o secretário de Transportes Sebastião Oliveira, presidente do PR e com o presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Uchoa (PDT). Foi candidato à prefeitura de Nazaré da Mata nas últimas eleições.

Para quem se qualifica como microempresas para ter regime tributário diferenciado, é impressionante o volume de recursos que essas empresas do ramo de alimentação movimentam. Com a palavra também, a Receita Federal.

Comentários

  1. Faz entender porque o tal Guilherme uchoa era tam conceituado, para se reeleger a presidente da assembléia legislativa, e o finado Eduardo campos, batia os pés dizendo eu quero o Guilherme uchoa! Agora da para entender como foi comprado o jatinho para fazer a campanha de dro.Eduardo campos.

    ResponderExcluir
  2. Então, agora dar para entender porque o Guilherme uchoa era tam requisitado para se reeleger tantas vezes para ser presidente da casa legislativa por o es governador Eduardo campos, e a compra do jatinho para fazer sua campanha para presidente da República, eu acho que a polícia federal irá descobrir mais coisas.

    ResponderExcluir
  3. Então, agora dar para entender porque o Guilherme uchoa era tam requisitado para se reeleger tantas vezes para ser presidente da casa legislativa por o es governador Eduardo campos, e a compra do jatinho para fazer sua campanha para presidente da República, eu acho que a polícia federal irá descobrir mais coisas.

    ResponderExcluir
  4. Mas vejam só!
    Conheço essas figurinhas carimbadas, pela prepotência e arrogância, com que tratavam os subordinados.
    Todos Eles, posavamo de homens de bens religiosos, se realmente devem, Cadeia para todos...

    ResponderExcluir
  5. Mas vejam só!
    Conheço essas figurinhas carimbadas, pela prepotência e arrogância, com que tratavam os subordinados.
    Todos Eles, posavamo de homens de bens religiosos, se realmente devem, Cadeia para todos...

    ResponderExcluir
  6. Por isso não tem dinheiro, para aumentar o mísero salário dos servidores...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS ACESSADAS DO MÊS

MPPE instaura inquérito para investigar HAPVIDA. Denúncia partiu do SIMEPE

Aos gritos de "tem roubo", alunos protestam contra a falta de Merenda durante visita de Paulo Câmara. Na Prefeitura do Recife, Geraldo Júlio é notificado pelo MPPE para explicar denúncias do SIMPERE sobre irregularidades em contratos da Merenda

Passados 12 anos do "escândalo da Sacolinha, Milton Coelho volta a ser alvo de investigação criminal, desta vez por apropriação de recursos públicos