ASSALTANTE DE BANCOS ERA O LOBISTA QUE INTERMEDIAVA CONTRATOS ENTRE EMPRESÁRIOS E GOVERNOS DE PERNAMBUCO E MARANHÃO, REVELA OPERAÇÃO TORRENTES II DA POLÍCIA FEDERAL

LOBISTA QUE INTERMEDIAVA CONTRATOS DA CASA MILITAR DE PERNAMBUCO COM EMPRESÁRIOS PRESOS NA "TORRENTES" JÁ HAVIA CUMPRIDO DEZ ANOS NO PRESÍDIO DO CURADO POR ASSALTOS A BANCOS, REVELAM DELEGADOS FEDERAIS EM COLETIVA DE IMPRENSA


Em entrevista coletiva concedida hoje, pela manhã, na sede da Superintendência da Polícia Federal de Pernambuco, os delegados federais Márcio Tenório e Renato Madsen, presentes à entrevista revelaram que a organização criminosa que foi desbaratada pela primeira fase da Operação Torrentes utilizava como intermediador, ou seja, lobista, para a obtenção de contratos com o governo de Pernambuco e do Maranhão um advogado e pastor evangélico que já cumpriu pena no Complexo Prisional do Curado por assaltos a bancos, estelionato e outras fraudes.

Perguntados se algum contrato já teria sido identificado como fruto de intermediação do assaltante a bancos e estelionatário preso hoje pela Polícia Federal e que o Blog conseguiu identificar positivamente como sendo o advogado pernambucano Daniel Pereira Costa Lucas, os delegados federais informaram que todos os contratos objeto das duas denúncias apresentadas pelo Ministério Público Federal contra os integrantes da Casa Militar do Governo de Pernambuco que incluem, dentre os denunciados o ex-interventor de Gravatá, o Coronel Mário Cavalcanti, ex-assessor especial do governador Paulo Câmara e que chegou a marcar reuniões a mando do governador para processar a editora deste Blog (Leia em CORONÉIS INDICIADOS POR CORRUPÇÃO NA OPERAÇÃO TORRENTES TRAMARAM AÇÕES PARA INTIMIDAR NOELIA BRITO.) teriam sido intercedidos pelo lobista que já cumpriu pena por assaltos a bancos. Vejam trecho da entrevista em que o delegado Renato Madsen revela as atividades criminosas como assaltante de bancos e estelionatário do lobista da ORCRIM que inclui policiais militares da inteira confiança do governador Paulo Câmara:




Novos casos e novas Operações ainda podem surgir tendo em vista o farto material apurado na primeira fase da Operação Torrentes, inclusive em outros órgãos e outros Estados, revelaram, ainda os delegados da Polícia Federal, durante a entrevista.

A íntegra da coletiva pode ser assistida em nossa Página no Facebook no seguinte link https://www.facebook.com/noeliabritoblog/videos/1771957529495077/?hc_ref=ARRsVFolJ9mepsNSMFZ8bZNqvh7VfEjA7j9sKtUnCQ4CMPIwiktoIAXpVT-KbMJUcS8


Além do lobista que passou dez anos preso por assaltos a banco, também foram alvos da Operação as seguintes pessoas:

JOÃO VANDERLEY COSTA PEREIRA – CEL/PM – Ex-Comandante do Corpo de Bombeiros/MA
(Prisão Temporária- Mandado de Busca e Apreensão);
AUGUSTO CÉSAR DOS SANTOS CUTRIM – 1º TEN/PM – Corpo de Bombeiros/MA
(Prisão Temporária- Mandado de Busca e Apreensão)
ÍTALO HENRIQUE SILVA JAQUES-Prisão Preventiva; (COTEL)
RICARDO JOSÉ DE PADILHA CARÍCIO-Prisão Preventiva; (COTEL)
RAFAELA CARRAZONE DA CRUZ GOUVEIA PADILHA – Prisão Preventiva;
CARLOS ROBERTO DE SOUZA LIMA – Busca e Apreensão; (Empresário também conhecido como “Coronel Betão”, ex-Secretário do Gabinete Militar do Governador do estado do Maranhão)
CARLOS ROBÉRIO DOS SANTOS – Busca e Apreensão-(Empresário Coronel da Reserva do Corpo de Bombeiros do Estado do Maranhão e ex-Coordenador Estadual de Proteção e Defesa Civil do Estado do Maranhão (2009-2013)
Manoel Henrique dos Santos Lima, que é Assessor Jurídico da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil do Estado do Maranhão (CEPDECMA). Mandado de Prisão Preventiva.

SAIBA MAIS DETALHES SOBRE A OPERAÇÃO DE HOJE
A Polícia Federal em Pernambuco deflagrou, na data de hoje (08/02/2018), a segunda fase da Operação Torrentes, denominada Círculo de Fogo, com o propósito de apurar desvio de recursos públicos federais e corrupção envolvendo oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão.

Os documentos apreendidos no bojo da primeira fase da Operação Torrentes – a qual desvelou diversas irregularidades perpetradas pela Secretaria da Casa Militar de Pernambuco na aplicação dos recursos federais repassados para o atendimento da população atingida pelas fortes chuvas que assolaram a mata sul pernambucana nos anos de 2010 e 2017 - revelaram que um dos grupos empresariais ali favorecido também fora beneficiado com contratos firmados com o Corpo de Bombeiros Militar do estado do Maranhão nos anos de 2013 e 2014, porém, desta feita, destinado a auxiliar as vítimas da forte seca que atingiu esse estado naqueles anos. 

Chamou a atenção dos investigadores que tão logo os valores eram creditados pelo Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão na conta da empresa fornecedora investigada, parte deles era repassada diretamente para as contas bancárias de oficiais daquela instituição, inclusive da alta cúpula, ou para as contas de um operador, que se encarregava de transferir-lhes a vantagem indevida.

Os indícios também apontam superfaturamento nos contratos em virtude de preço quase 30% superior ao de mercado e também do não fornecimento integral do objeto pactuado, os quais podem totalizar um prejuízo de mais de R$ 10 milhões de reais aos cofres públicos.

Ao todo, cerca de 80 (oitenta) policiais federais, com o apoio de servidores da Controladoria-Geral da União, estão cumprindo 7 (sete) mandados de prisão preventiva e 9 (nove) mandados de busca e apreensão nos estados de Pernambuco e Maranhão, todos expedidos pela 13ª Vara da Justiça Federal em Pernambuco. Também foi determinado o sequestro dos bens de todos investigados, como forma de garantir o ressarcimento dos prejuízos causados aos cofres públicos.

Os presos de Pernambuco serão trazidos para a sede da polícia federal onde serão interrogados e dependendo do seu grau de participação e envolvimento responderão pelos crimes do art. 317, §1º do Código Penal (corrupção passiva) por parte dos funcionários públicos do CBMMA e Art. 333 do Código Penal (corrupção ativa) por parte de alguns empresários que estavam na condição de verdadeiros proprietários da empresa FJW EMPRESARIAL – cujas penas ultrapassam os 12 anos de reclusão. Após serem ouvidos todos serão encaminhados para fazer exame de corpo de delito e compareceram à audiência de custódia e caso seja ratificada suas prisões os civis serão encaminhados para o Cotel e Colônia Penal Feminina e os militares para uma instituição designada pelo Comando da Polícia Militar de Pernambuco. 


Comentários

MAIS ACESSADAS DO MÊS

STJ MANDA INQUÉRITO CONTRA PAULO CÂMARA E GERALDO JULIO, POR SUPOSTOS CRIMES NA LICITAÇÃO DA ARENA PERNAMBUCO, PARA VARA DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO RECIFE

OPERAÇÃO SOLARIS: EMPRESA ALVO DA PF EM SALGUEIRO VENCEU QUASE TODAS AS LICITAÇÕES QUE PARTICIPOU EM 12 MUNICÍPIOS PERNAMBUCANOS

Máfia da Merenda estaria pressionando Governador Paulo Câmara para afastar delegada Patrícia Domingos que desbaratou esquema da ORCRIM. PF também investiga mesma máfia