PERSONALISMO DE HUMBERTO E JOÃO PAULO PODEM FAZER MARILIA ARRAES REPETIR FENÔMENO LUIZIANNE LINS


Luizianne Lins foi candidata contra a vontade de Lula que queria que o PT apoiasse o candidato de Ciro Gomes, que na ocasião era Inácio Arruda, do PC do B. Luizianne teve o apoio massivo da militância do PT e do povo de Fortaleza que encampou sua candidatura contra os poderosos, inclusive de seu próprio Partido, elegendo-se Prefeita de Fortaleza por duas vezes. Atualmente é deputada federal pelo PT.


O texto da professora Liana Cirne Lins, que leciona Direito Processual Civil da Casa de Tobias Barreto é um belo alerta a quem anda alardeando que a aliança entre o PT de Pernambuco e o PSB já seria "prego batido e ponta virada" e que "a pré-candidatura de Marília Arraes estaria rifada". Li o texto didático, que pode ser conferido AQUI. Pelo ali exposto, há espaço para judicialização, acaso a Executiva Nacional do PT repita o equívoco de 2012, para atender mais uma vez aos caprichos de Humberto Costa e João Paulo e venham a retirar uma candidatura legítima para atender interesses meramente personalistas de ambos. Rifado na eleição de 2012, apesar de vitorioso nas prévias e postulante à reeleição, João da Costa preferiu não desafiar nem Lula, nem os "capas-pretas" do PT.judicializando contra a intervenção. Maurício Rands, o derrotado nas prévias, bandeou-se para o PSB que, afinal, sempre fora o fiador de sua candidatura. Diferentemente dos pernambucanos, a cearense Luizianne Lins peitou Lula, que juntamente com José Dirceu, José Genuino, irmão de José Guimarães, que é uma espécie de Humberto Costa do Ceará, queriam rifar a candidatura própria petista para apoiar a candidatura de Inácio Arruda, do PC do B, para atender a Ciro Gomes.

Em momento em que Lula era presidente e com recordes de popularidade, Luizianne Lins fincou pé, ganhou as prévias por um voto, judicializou, fez tudo que tinha direito de fazer e foi a candidata, fez uma campanha histórica, belíssima, só comparável àquela outrora feita por outra mulher, também petista, a também cearense Maria Luiza Fontenele, que conquistou a primeira capital para o Partido dos Trabalhadores, Fortaleza, ambas derrotaram a máquina do governo estadual, a segunda sequer contou com o apoio do PT, mas foram eleitas prefeitas com o apoio do povo de Fortaleza que se enamorou pela gana e resistência de ambas contra os poderosos do Estado e, no caso de Luizianne, contra os poderosos até de seu próprio Partido que por machismo, ganância, por cargos, por oportunismo ou porque já não tivessem mais a capacidade de sonhar queriam apoiar o candidato do governador.

Luizianne depois foi reeleita já com o apoio do PT, aquele mesmo que não queria lhe dar sequer a oportunidade de concorrer, mas que nunca deixou de exigir cargos e mais cargos em sua gestão. Cuidado, portanto, muito cuidado, àqueles analistas apressados que andam falando em “prego batido e ponta virada”. Cuidado, principalmente a quem anda vendendo mercadoria que talvez não possa entregar porque aqueles que andam se arvorando de serrem madeira de lei que cupim não rói parecem desconhecer a força e a raça da mulher nordestina.


ÍNTEGRA DA NOTA POSTADA PELA PROFESSORA LIANA CIRNE LINS EM SEU PERFIL NO FACEBOOK REFERIDA EM NOSSO ARTIGO:

"Acerca da pré-candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco e da possibilidade de estabelecer-se uma aliança entre PT e PSB para apoiar Paulo Câmara, considerado o pior governador dos últimos tempos, com o nome de João Paulo Lima Silva, como vice (de acordo com especulações da mídia):
Indaga-se acerca do valor político e normativo que a RESOLUÇÃO do Diretório Estadual do PT-PE, de 30.07.2017, que DECIDIU por candidatura própria em OPOSIÇÃO AO GOVERNO DO PSB DE PERNAMBUCO.
Alguns companheiros, como por exemplo Dilson Peixoto, vêem a Resolução como mero indicativo, aceitando a possibilidade de que a estratégia eleitoral de Pernambuco seja estabelecida em nível nacional, ao arrepio das bases.
Em vista do contundente rechaço de uma estratégia traçada passando por cima da militância pernambucana, mesmo que endossada pelo nosso presidente Lula, creio ser relevante retomar a questão acerca da citada Resolução.
Em primeiro lugar, é necessário definir e delimitar as competências, ou seja, atribuições de cada instância partidária, determinadas pelo Estatuto do PT. Busquei a versão registrada no site do TSE, aprovada em 03.05.2016.
Nos termos do art. 139 do Estatuto, em qualquer nível, caberá à Comissão Executiva ou ao Diretório CORRESPONDENTE abrir o período eleitoral para indicação, impugnação e aprovação de candidaturas às eleições proporcionais e majoritárias, devendo ser respeitado o calendário nacional estabelecido pelo
Diretório Nacional.
O artigo deixa claro que o Diretório Nacional não tem competência (atribuição) para deliberar acerca das candidaturas regionais, mas tão-somente para estabelecer o calendário nacional.
Já o art. 104 cumulado com art. 79, alínea b, determinam:
Art. 104. As atribuições dos Diretórios Estaduais e respectivas Comissões Executivas correspondem, na esfera estadual, às atribuições das instâncias municipais na esfera dos municípios, conforme normas previstas neste Estatuto.
Art. 79. São as seguintes as atribuições do Diretório Municipal:
b) estabelecer a posição do Partido em relação às questões políticas de âmbito municipal e o plano de ação em estrita observância das orientações emanadas das instâncias superiores.
Assim, CABE AO DIRETÓRIO ESTADUAL ESTABELECER A POSIÇÃO DO PARTIDO EM RELAÇÃO ÀS QUESTÕES POLÍTICAS DE ÂMBITO ESTADUAL, notadamente a indicação da candidatura majoritária estadual.
Nesse sentido, o Diretório Estadual já decidiu. Vejamos:
15. O Diretório Estadual do PT DECIDIU, por unanimidade, adotar as seguintes deliberações e fixar as seguintes prioridades para as lutas do PT-PE em 2017 e 2018:
15.3. Apresentar uma candidatura própria do PT-PE ao Governo do Estado nas próximas eleições, em oposição ao governo do PSB, para que Pernambuco retome os rumos de seu crescimento social e econômico e seja resgatado das ameaças e atrasos impostos por uma gestão ineficiente e omissa, bem como para defender a democracia e os direitos dos pernambucanos(as).
LOGO, EMBORA SEJA POSSÍVEL UMA ALIANÇA NACIONAL ENTRE PT E PSB, O ÓRGÃO COMPETENTE PELA INDICAÇÃO DE CANDIDATURA AO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO JÁ DECIDIU QUE HAVERÁ CANDIDATURA PRÓPRIA EM OPOSIÇÃO AO PSB.
Não creio haver outra interpretação adequada ao nosso Estatuto."

Comentários

  1. Discordo da professora em relação a 2012,naquele ano quem defendia a reeleição era os donos do cartorio do PT,a militância tava fora! hoje a militância defende candidatura propiá

    ResponderExcluir

Postar um comentário

MAIS ACESSADAS DO MÊS

STJ MANDA INQUÉRITO CONTRA PAULO CÂMARA E GERALDO JULIO, POR SUPOSTOS CRIMES NA LICITAÇÃO DA ARENA PERNAMBUCO, PARA VARA DOS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO RECIFE

OPERAÇÃO SOLARIS: EMPRESA ALVO DA PF EM SALGUEIRO VENCEU QUASE TODAS AS LICITAÇÕES QUE PARTICIPOU EM 12 MUNICÍPIOS PERNAMBUCANOS

Máfia da Merenda estaria pressionando Governador Paulo Câmara para afastar delegada Patrícia Domingos que desbaratou esquema da ORCRIM. PF também investiga mesma máfia