TCE: Dodge pede manutenção da preventiva de ex-secretário que subornou Conselheiros do TCE/RJ


A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira (11), manifestação na qual opina pela manutenção da prisão preventiva do ex-secretário estadual de obras do Rio de Janeiro José Iran Peixoto Júnior, investigado na Operação Boca de Lobo, que apura esquemas de corrupção no estado. No parecer, a procuradora-geral destaca a inexistência de ilegalidades a serem reparadas e que estão demonstrados os graves ilícitos praticados pelo investigado. Segundo a PGR, a liberdade de José Iran implicaria perigo concreto à ordem pública, principalmente à instrução criminal. José Iran é acusado de transportar valores indevidos para conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, mais especificamente para Jonas Lopes de Carvalho Júnior. José Iran teve a prisão decretada nos autos do inquérito que apura crimes de corrupção passiva, participação em organização criminosa, lavagem de dinheiro, além de crimes previstos na Lei de Licitação, praticados pelo ex-governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão, após suceder Sérgio Cabral. De acordo com o parecer, “José Iran Peixoto Júnior era o principal elo entre o ex-governador Pezão com o conselheiro e ex-presidente do Tribunal de Constas do Estado do Rio de Janeiro, Jonas Lopes de Carvalho Júnior, participante do esquema e beneficiário de parte da propina paga”.

Com informações da Secretaria de Comunicação Social Procuradoria-Geral da República  

Comentários

MAIS VISITADAS DO MÊS

PGJ E PROMOTORIA DE CAMARAGIBE VÃO INVESTIGAR PECULATO E IMPROBIDADE CONFESSADOS EM ÁUDIOS DO PREFEITO DE CAMARAGIBE

ESCRITÓRIO QUE JÁ RECEBEU MAIS DE R$ 30 MILHÕES DE HONORÁRIOS DE PREFEITURAS TEM COMO SÓCIOS UM PROCURADOR APOSENTADO DO RECIFE LIGADO AO PSB E O GENRO DO SENADOR JARBAS VASCONCELOS, DO MDB,

SANDOVAL CADENGUE, EX-PREFEITO DE BREJÃO E HOMEM FORTE DO PSB, É CONDENADO A MAIS DE 13 ANOS DE PRISÃO EM DOIS PROCESSOS.

AUDITORIA DO TCE/PE FLAGROU PAGAMENTOS DO IPA POR SERVIÇOS NÃO PRESTADOS A ENTIDADES "SEM FINS LUCRATIVOS" LIGADAS À FAMÍLIA DO PRESIDENTE DA ALEPE. PAGAMENTOS FORAM FEITOS A PEDIDO DE DEPUTADOS POR MEIO DE EMENDAS PARLAMENTARES. AMEAÇAS DE MORTE À EX-MULHER DE UM DOS BENEFICIÁRIOS DO ESQUEMA TROUXE O CASO Á TONA